Em processo contra Luciana Gimenez, Kajuru quer que Mick Jagger e ex-mulher sejam ouvidos

·2 minuto de leitura

Luciana Gimenez pediu uma indenização de R$ 40 mil contra Jorge Kajuru por danos morais. O senador criticou a apresentadora e a chamou de "mulher desqualificada", entre outros, fazendo menção ao passado dela com Mick Jagger. Para contestar a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, o jornalista esportivo quer que sejam ouvidos o astro dos The Rolling Stones, Jerry Hall, a ex-mulher dele na época do envolvimento com Gimenez, Keith Richards e Olavo de Monteiro Carvalho, que deu a festa em que o astro e a brasileira teriam se conhecido.

No documento a qual o Extra teve acesso, o senador se defende ao dizer que Luciana Gimenez é pessoa pública, o que "relativiza questões do direito à intimidade". Além disso, alega que as falas ditas sobre a apresentadora foram exploradas exaustivamente pela mídia nacional e internacional, "merecendo, inclusive, um artigo científico da Doutora em Comunicação Social pela UFMG, Ligia Campos de Cerqueira Lana, intitulado 'A vítima oportunista: a construção da celebridade Luciana Gimenez'."

"Segundo a pesquisadora, Luciana Gimenez que não passava de uma fracassada supermodelo internacional, alçou ao posto de celebridade ao levar o astro do rock inglês Sir Mick Jagger a um 'caso'” extraconjugal que acabou com seu casamento de 22 (vinte e dois) anos com a ex-modelo Jerry Hall. O artigo faz um minucioso estudo sobre o comportamento da autora com base nas notícias veiculadas na época as quais transcrevo nesta peça processual, a fim de comprovar que o réu apenas transmitiu sua opinião sem querer ofendê-la, mas com base no senso comum fundada na teoria das representações sociais de Serge Moscovici in Representações Sociais: investigação em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003", diz trecho da peça.

A defesa de Kajuru diz ainda que o senador tem imunidade parlamentar e as falas foram ditas durante exercício, já que trechos da entrevista foram dedicados a falar sobre decisões do STF, CPI e pedidos de impeachment.

A peça tenta explicar ainda que ao dizer que Luciana Gimenez é "mulher de programa", Kajuru quis dizer, apesar do duplo sentido, de que a ex-modelo não pode ser chamada de "apresentadora", apesar de ter uma atração na RedeTV.

"No tocante a acusação de mulher de programa, apesar do duplo sentido, não há a intenção de lhe chamar como garota de programa, de prostituta, que se dedica ao exercício da prostituição; mulher que faz relações sexuais por dinheiro. Mulher de programa foi usado porque o requerido não a considera como uma apresentadora, devido a sua absoluta falta de competência para tal mister. Ela faz um programa. Não apresenta, porque não tem condições para tal mister, é desqualificada para essa profissão, tanto que é sempre objeto de críticas suas performances"

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos