Em rara mensagem conjunta, principais comandantes militares dos EUA condenam invasão do Capitólio

Idrees Ali
·2 minuto de leitura
Apoiadores do presidente dos EUA, Donald Trump, invadem prédio do Capitólio

Por Idrees Ali

WASHINGTON (Reuters) - O Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos Estados Unidos, a liderança unificada de todos os comandantes das Forças militares do país, publicou nesta terça-feira uma rara mensagem às tropas dizendo que os violentos tumultos da semana passada foram contra a lei e representaram uma agressão ao processo constitucional norte-americano.

A mensagem em conjunto rompeu quase uma semana de silêncio dos líderes militares após o ataque ao Capitólio por apoiadores do presidente Donald Trump, no qual parlamentares foram obrigados a se esconder e cinco pessoas morreram.

Embora uma série de membros do gabinete de Trump, incluindo o secretário de Defesa, Chris Miller, tenham condenado a invasão, o principal general dos EUA, o chefe do Estado-Maior Conjunto, general Mark Milley, estava em silêncio até agora.

"A violenta revolta em Washington no dia 6 de janeiro de 2021 foi uma agressão direta ao Congresso dos EUA, ao prédio do Capitólio e ao nosso processo constitucional", afirmaram os sete generais e um almirante em um memorando interno direcionado às tropas, acrescentando que as forças militares continuavam comprometidas com a proteção e com a defesa da Constituição.

"Os direitos de liberdade de expressão e reunião não dão a ninguém o direito de recorrer à violência, sedição e insurreição", diz o memorando, que foi visto pela Reuters.

Os líderes militares disseram que o presidente eleito Joe Biden será empossado no dia 20 de janeiro e se tornará seu novo comandante.

"Qualquer ato para interromper o processo constitucional não é apenas contra as nossas tradições, valores e juramentos; é contra a lei".

Autoridades dos EUA disseram que Milley não havia comentado sobre os eventos da semana passada pois queria ficar de fora da política.

O silêncio contrasta fortemente com o que aconteceu em junho, quando Milley caminhou ao lado de Trump até uma igreja após forças policiais apoiadas por tropas da Guarda Nacional usarem balas de borracha e gás lacrimogêneo contra manifestantes pacíficos para liberar a área.

Alguns militares expressaram em particular temores com o fato de que os líderes não ofereceram direções após o ataque à democracia norte-americana na quarta-feira.

Há também um foco renovado sobre o extremismo dentro das forças militares dos EUA após a invasão do Capitólio, uma vez que uma grande proporção de seus membros é formada por homens brancos.

O Exército informou à Reuters na terça-feira que estava trabalhando com o FBI para ver se algum dos invasores do Capitólio era militar e com o Serviço Secreto para determinar se algum dos 10 mil militares da Guarda Nacional que farão a segurança da posse de Biden precisa de triagem adicional.