Em resposta a CPI da Prevent Senior, bolsonaristas em SP querem investigar publicidades de Doria

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  21-10-2020, 12h00: O governador de São Paulo João Dória (PSDB), ao lado  dos senadores Izalci Lucas (PSDB-DF) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e do diretor do Instituto Butantan Dimas Covas, durante coletiva de imprensa no salão azul do senado. O governador mostrou ampolas da Vacina contra o coronavírus que está sendo desenvolvida pelo instituo Butantan. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 21-10-2020, 12h00: O governador de São Paulo João Dória (PSDB), ao lado dos senadores Izalci Lucas (PSDB-DF) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e do diretor do Instituto Butantan Dimas Covas, durante coletiva de imprensa no salão azul do senado. O governador mostrou ampolas da Vacina contra o coronavírus que está sendo desenvolvida pelo instituo Butantan. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Na esteira do pedido de criação da CPI da Prevent Senior na Assembleia Legislativa de São Paulo, que tem potencial de desgastar o presidente Jair Bolsonaro, deputados bolsonaristas articulam a criação de uma comissão de inquérito que investigue os gastos de publicidade do governo João Doria (PSDB).

Doria é pré-candidato à Presidência da República em 2022, e pode ser adversário de Bolsonaro numa possível tentativa de reeleição.

A justificativa do pedido de CPI dos gastos com publicidade é investigar os contratos do governo sobre o tema e as suas prorrogações e alterações. O autor do pedido é o deputado estadual Danilo Balas (PSL), que é agente da Polícia Federal.

No texto, ele cita um edital de 2020 de R$ 15 milhões que tinha inicialmente objetivo de contratação de agência de publicidade para, entre outras atividades, monitorar "principais influenciadores (detratores e apoiadores) em fichas individualizadas".

O projeto foi modificado e excluiu o item, deixando apenas menção sobre análise do "alcance das publicações".

Também é citada na justificativa, entre outras, uma licitação de publicidade no valor R$ 100 milhões lançada este ano. Balas percorre os gabinetes da Assembleia Legislativa nesta terça (28) para tentar viabilizar as 32 assinaturas necessárias para que a CPI seja protocolada.

Até as 16h desta terça, 14 deputados já assinaram. Além de bolsonaristas, o deputado Carlos Giannazi (PSOL), que é de oposição à esquerda, também endossou a criação da CPI.

Para ser instalada, a comissão ainda tem que ser aprovada em plenário por meio de um projeto de resolução, porque já existem outras cinco CPIs —número máximo— protocoladas para tramitar neste semestre na Casa, embora duas delas estejam suspensas por uma manobra de aliados dos tucanos.

O requerimento para a CPI da publicidade afirma que a investigação terá como foco "o elevado custo dos contratos de publicidade praticados pelo Governo do Estado de São Paulo, além dos inúmeros aditamentos, mesmo diante do cenário de crise instaurado pela pandemia".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos