Em reunião com EUA, Salles mostra Brasil como cachorro de olho em frango de padaria

MARINA DIAS
·3 minuto de leitura
Em reunião internacional, ministro Ricardo Salles ilustro Brasil como país que observa frangos rodando em espeto - Foto: Getty Images
Em reunião internacional, ministro Ricardo Salles ilustro Brasil como país que observa frangos rodando em espeto - Foto: Getty Images
  • Contestado, ministro do Meio Ambiente usou estratégia controversa em reunião internacional do setor

  • De acordo com testemunhas, norte-americanos presentes na reunião não conseguiram entender referência usada por Salles

  • Salles insiste na ideia de que o Brasil vai se comprometer com metas ambientais apenas se receber dinheiro antecipado de países estrangeiros

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) lançou mão de uma estratégia no mínimo inusitada na tentativa de convencer os Estados Unidos a enviarem dinheiro ao Brasil para a preservação da Amazônia. Em reunião com integrantes da equipe de John Kerry, enviado especial para o clima do governo Joe Biden, Salles mostrou slides em que era possível ver a imagem de um cachorro sentado, abanando o rabo diante de uma máquina de frango assado, situação bastante comum em frente a padarias brasileiras.

Segundo relatos de quem viu a apresentação, era possível ler, em inglês, "expectativa de pagamento" acima da imagem dos frangos, que carregavam cifrões de dólares estampados no peito. Pouco habituados à cultura do frango de padaria, os americanos não conseguiram entender de imediato a ligação entre a figura e a mensagem do governo brasileiro. 

As imagens, que datam de 17 de março, fizeram parte de uma série de reuniões bilaterais entre integrantes dos governos brasileiro e americano nas últimas semanas, em preparação para a Cúpula de Líderes sobre o Clima, que Biden marcou para os dias 22 e 23 de abril. 

EUA querem Brasil comprometido com metas; Salles resiste

Em reunião ministro brasileiro pediu US$ 1 bilhão até 2021 para ajudar na preservação da floresta - Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Em reunião ministro brasileiro pediu US$ 1 bilhão até 2021 para ajudar na preservação da floresta - Foto: AP Photo/Eraldo Peres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi convidado por Biden para participar do encontro, que vai acontecer de forma virtual, e deve reunir 40 líderes mundiais. Os EUA querem que o Brasil se comprometa com metas objetivas de redução de desmatamento ilegal, zerando a prática até 2030, e apresente resultados ainda neste ano. 

Salles, por sua vez, insiste na ideia de que o Brasil vai se comprometer com números apenas se receber dinheiro antecipado de países estrangeiros, mas os americanos condicionam o financiamento a resultados concretos. Na reunião do dia 17 de março, por exemplo, o ministro brasileiro pediu US$ 1 bilhão até 2021 para ajudar na preservação da floresta. Entre os negociadores americanos, a apresentação feita por Salles reforçou a imagem de que o governo Bolsonaro não está bem preparado para a cúpula, resistente a assumir metas mais ambiciosas ou a apresentar uma estratégia crível para reduzir a devastação do bioma. 

Amazônia volta a bater recorde negativo

De acordo com o Deter, o sistema de monitoramento de desmate do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o desmatamento na Amazônia voltou a bater recorde em março e foi o maior dos últimos seis anos. Os dados apontam 367,61 km² de desmatamento. O recorde anterior pertencia a 2018, com 356,6 km² destruídos, seguido por 2020, com 326,49 km² derrubados, todos sob governo Bolsonaro. 

Após a chegada de Biden à Casa Branca, o meio ambiente se converteu no principal assunto da relação bilateral entre Brasil e EUA. Para diversos setores do governo Bolsonaro, a cúpula organizada por Biden é considerada um momento-chave no relacionamento entre os países. Os americanos pretendem observar a participação do Brasil para decidir se existe de fato uma mudança de rumo da gestão brasileira. 

O temor entre auxiliares do Planalto é que uma atuação de Bolsonaro julgada como frustrante pelos EUA abra as portas para o aumento da pressão diplomática e econômica contra o país. Os preparativos para a cúpula têm mobilizado ao menos três ministérios: Meio Ambiente, Itamaraty e Agricultura. 

A avaliação de conselheiros de Bolsonaro é que o presidente não pode repetir a retórica que ele já adotou no passado sobre o tema, a de que existe cobiça estrangeira pela Amazônia, e os recorrentes ataques contra ONGs e populações indígenas.