Em reunião, ministros são orientados a priorizar parlamentares 3 vezes por semana

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Na primeira reunião ministerial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os 37 integrantes do primeiro escalão do governo foram orientados a priorizar o atendimento a deputados e senadores ao menos três dias por semana.

Responsável por dar o recado, o ministro da SRI (Secretaria de Relações Institucionais), Alexandre Padilha (PT), pediu aos colegas para concentrar as agendas administrativas e internas nas segundas e sextas-feiras, de modo a priorizar audiências com parlamentares de terça a quinta.

Além disso, haverá uma reunião mensal no Palácio do Planalto com os assessores parlamentares de cada um dos ministérios para fazer um alinhamento central das pautas legislativas.

Como um sinal da prioridade à construção da governabilidade, também chamou a atenção dos ministros a presença dos líderes no Congresso, Senado e Câmara, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Jaques Wagner (PT-BA) e José Guimarães (PT-CE).

O próprio Lula mencionou essa preocupação no trecho televisionado de sua fala. "Eu tenho consciência que não é o Lira que precisa de mim, é o governo que precisa da boa vontade da presidência da Câmara. Não é o Pacheco que precisa de mim, é o governo que precisa de um bom relacionamento com o Senado. E assim nós vamos governar esses quatro anos", pontuou.

Além disso, ficou acertada também uma reunião semanal já a partir da próxima semana com todos os secretários-executivos. O objetivo é centralizar as propostas de todas as áreas.

Nesta quarta-feira, o ministro da Casa Civil, Rui Costa (PT), desautorizou o da Previdência, Carlos Lupi (PDT), que falou em mudanças na aposentadoria.

A reunião foi longa – começou às 9h e se encerrou pouco depois de 14h. Quase todos os ministros falaram e, segundo relatos, alguns acabaram se estendendo. Auxiliares contam que teve mais o caráter de apresentar todo mundo e de coordenar algumas das primeiras rotinas da gestão.