Em reunião, Witzel diz que Bolsonaro quer usá-lo como exemplo para 'intimidar governadores'

Paulo Cappelli
O presidente Jair Bolsonaro e Wilson Witzel

Em reunião com secretários na tarde desta terça-feira (26), após a Operação Placebo, da Polícia Federal, que apreendeu seus celulares, o governador Wilson Witzel afirmou que o presidente Jair Bolsonaro quer usá-lo como exemplo para "intimidar governadores" e demais políticos de oposição.

— Ele quer passar a mensagem de que fará com os outros governadores e políticos de oposição o que está fazendo comigo. É para intimidar — disse Witzel ao seu secretariado, no Palácio Guanabara, afirmando que Bolsonaro o "persegue" por acreditar que o governo estadual, por meio da Polícia Civil, persegue seu filho senador, Flávio Bolsonaro (Republicanos).

De acordo com o colunista Lauro Jardim, na mesma reunião Witzel afirmou que não renunciará ao mandato, mas disse que entenderia caso, diante das denúncias, algum secretário decidisse deixar o governo.

A Operação Placebo investiga desvios em contratos emergenciais na Secretaria de Saúde firmados durante a pandemia de coronavírus.