Em ritmo de campanha, Bolsonaro almoça com sertanejo e participa de culto durante visita a Goiás

·2 minuto de leitura

ANÁPOLIS — O presidente Jair Bolsonaro encerrou sua visita a Anápolis (GO), realizada nesta quarta-feira, com uma cena típica de campanha eleitoral: "pendurado" na porta do seu carro, fez um breve desfile pelas ruas da cidade acenando para apoiadores. Foi o ato final de um dia que contou também com um almoço com o cantor sertanejo Amado Batista e com a participação em um culto evangélico, ambos compromissos feitos durante o horário de expediente.

Pela manhã, Bolsonaro esteve no Palácio do Planalto e teve um único compromisso, de acordo com com a agenda oficial: uma reunião com os ministros Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia) e Flávia Arruda (Secretaria de Governo). No fim da manhã, pegou um helicóptero em direção a Anápolis.

Em um encontro fora da agenda, Bolsonaro almoçou com Amado Batista em uma fazenda do cantor. Ele estava acompanhado do ministro da Secretaria-Geral, Onyx Lorenzoni, e dos deputados federais Vitor Hugo (PSL-GO) e Daniel Freitas (PSL-SC).

Depois do almoço, o grupo voltou ao aeroporto, onde reuniram-se com políticos e empresários. De lá, seguiram para a Igreja Church In Connection para a realização de um "culto interdenominacional". O ministro da Educação, Milton Ribeiro, juntou-se à comitiva na igreja.

Em seu discurso, o presidente fez uma comparação inadequada entre vacinas contra a Covid-19 e remédios que não tem eficácia comprovada contra a doença e criticou governos de esquerda na América Latina, dizendo que o Brasil "beira do abismo" antes de sua eleição.

Em um tom emotivo, Bolsonaro relatou os momentos em que decidiu concorrer a presidente, no fim de 2014, e lembrou a facada que sofreu durante a campanha eleitoral de 2018. O presidente voltou a repetir que tem provas de que houve uma fraude na última eleição presidencial, apesar de não ter cumprido a promessa feita há mais de um ano de que iria apresentá-las.