Em Roma para encontrar o Papa, Lula discute com políticos da esquerda italiana sobre o governo Bolsonaro

Lucas Ferraz, especial para O Globo
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

ROMA — Em Roma para se encontrar com Papa Francisco, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou as primeiras horas na cidade para discutir com políticos da esquerda italiana a situação do Brasil sob o governo de Jair Bolsonaro.

Acompanhado de seu ex-ministro Celso Amorim, que comandou o Itamaraty nos seus oito anos de governo (2003-10), e de alguns poucos assessores, Lula desembarcou na manhã desta quarta-feira em um voo comercial. Ele e sua pequena comitiva estão hospedados num hotel a dois quilômetros do Vaticano.

— Vim para ouvir — disse o ex-presidente sobre o encontro com Francisco. Será a primeira vez que o brasileiro e o argentino estarão juntos.

O encontro entre os dois foi intermediado pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández, que visitou o conterrâneo no Vaticano no dia 31 de janeiro.

Gilberto Carvalho, ex-ministro de Lula e um dos interlocutores do PT com a Igreja Católica (que não viajou a Roma por questões pessoais), conta que o pedido foi prontamente atendido por Jorge Mario Bergoglio.

— Foi tudo muito rápido. Na mesma hora que o Alberto comentou, o papa pediu a seu secretário particular para marcar a reunião — disse Carvalho, ressaltando a deferência do pontífice com o brasileiro.

A visita de Lula a Francisco, que não consta na agenda oficial do Santo Padre, é tratada com discrição pelo Vaticano, que a considera uma audiência privada, como tantas outras realizadas frequentemente pelo argentino.

Gilberto Carvalho afirma que o papa estava acompanhando toda a situação de Lula, lembrando das visitas de brasileiros ao Vaticano para tratar da condenação do petista. Em dezembro de 2018, Chico Buarque e a namorada, a advogada Carol Proner, se encontraram com o líder católico na casa de hóspedes de Santa Marta, onde Bergoglio vive e onde provavelmente receberá Lula nesta quinta.

Na ocasião, Chico entregou a Francisco um documento sobre o chamado “lawfare”, prática de manipulação do sistema jurídico para fins políticos. O texto mencionava que “não é exagero reconhecer que o ‘lawfare’ se transforma em um dos maiores perigos para a democracia no mundo e não apenas na América Latina”.

Em julho do ano passado, num vídeo institucional divulgado pelo Vaticano, o pontífice argentino faz um alerta sobre a atuação dos juízes e diz que eles “devem seguir o exemplo de Jesus, que nunca negocia a verdade”. Francisco ainda pedia orações para que “todos aqueles que administram a justiça operem com integridade”.

Dois meses antes, em maio de 2019, o papa respondeu uma carta do ex-presidente brasileiro. Nela, Francisco faz uma analogia à páscoa (época em que a missiva foi escrita) e diz que, “no final, o bem vencerá o mal, a verdade vencerá a mentira e a Salvação vencerá a condenação”. Ele ainda expressa “proximidade espiritual” a Lula em razão das mortes da sua mulher, Marisa Letícia, de seu irmão Genivaldo e do neto Arthur – as duas últimas ocorridas durante seu período na prisão – e pedia para ele “não desanimar”.

Em abril de 2019, Lula escreveu a Francisco da prisão agradecendo seu apoio ao povo brasileiro e à luta pela redução da pobreza e das desigualdades sociais.

Esta é a primeira viagem internacional de Lula após ele deixar a prisão, em novembro. A ida à Itália foi autorizada pela Justiça de Brasília, que adiou uma audiência que ele teria referente à Operação Zelotes desta para a próxima semana.

Nesta quarta, o ex-presidente recebeu no hotel o atual secretário-geral do Partido Democrático (um dos dois partidos que governa a Itália), Nicola Zingaretti, e o ex-primeiro-ministro italiano Massimo D’Alema, que havia visitado o petista na prisão em Curitiba em setembro de 2018.

Amanhã à noite, após o encontro privado com Francisco, Lula será recebido na Confederação Geral dos Trabalhadores Italianos, uma espécie de CUT local.

O ex-presidente deve retornar ao Brasil no sábado (15). Segundo informou o Itamaraty, os diplomatas brasileiros baseados em Roma não estão auxiliando Lula na viagem pois ela “não tem caráter oficial”.

  • Coronavírus: por que não há casos registrados no Turcomenistão
    Saúde
    BBC News Brasil

    Coronavírus: por que não há casos registrados no Turcomenistão

    Enquanto diversos países impuseram restrições e quarentena à população, a vida continua normalmente em um dos regimes mais autoritários do mundo

  • Pagamento do auxílio emergencial a inscritos no Cadastro Único começa nesta quinta. Confira o cronograma
    Notícias
    O Globo

    Pagamento do auxílio emergencial a inscritos no Cadastro Único começa nesta quinta. Confira o cronograma

    Expectativa é que ao menos 10 milhões de pessoas comecem a receber o benefício hoje

  • Kalil diz que menção de Bolsonaro foi 'surpresa' e não comenta protocolo do ministério
    Saúde
    Folhapress

    Kalil diz que menção de Bolsonaro foi 'surpresa' e não comenta protocolo do ministério

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O cardiologista Roberto Kalil Filho, do Hospital Sírio-Libanês, afirmou à reportagem que a citação de seu nome em pronunciamento em rede nacional do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na noite desta quarta (8), foi uma "surpresa". Bolsonaro parabenizou Kalil por ter declarado que foi medicado com a hidroxicloroquina. O presidente defende que a droga --que ainda não tem comprovação de efeito contra a Covid-19-- seja dada a pacientes em estágios iniciais da doença. Kalil, porém, recebeu a droga enquanto estava internado em estado grave. O médico não quis detalhar o que achou do pronunciamento ou do uso de seu nome e de casos individuais para falar sobre a indicação de hidroxicloroquina. "É portaria do Ministério da Saúde. Os médicos estão autorizados a prescrever. Claro que não se sabe o resultado final disso, mas essa doença mata", disse o cardiologista, que não quis comentar sobre o protocolo da pasta quanto ao medicamento. "Eu não sou infectologista. Tem que discutir com os infectologistas." Em pronunciamento, Bolsonaro disse que "após ouvir médicos, pesquisadores e chefes de estado de outros países, passei a divulgar, nos últimos quarenta dias a possibilidade do tratamento da doença desde a sua fase inicial". "Há pouco conversei com o doutor Roberto Kalil. Cumprimentei-o pela honestidade e compromisso com o Juramento de Hipócrates, ao assumir que não só usou a hidroxicloroquina, bem como a ministrou para dezenas de pacientes. Todos estão salvos", afirmou o presidente. "Disse-me mais. Que, mesmo não tendo finalizado o protocolo de testes, ministrou o medicamento agora para não se arrepender no futuro. Essa decisão poderá entrar para a história como tendo salvo milhares de vidas no Brasil. Nossos parabéns ao doutor Kalil." Mais cedo, o médico afirmou ter usado a hidroxicloroquina. Ao jornal O Globo disse: "Quando eu internei, o meu estado geral era péssimo. Era uma pneumonia em grau avançado. Foram discutidos vários tipos de tratamento, dentre elas a hidroxicloroquina, e aceitei. Meu estado não era bom e foi colocado uma gama de tratamentos. Fiz o uso [da hidroxicloroquina] sim. Melhorei só por causa dela? Provavelmente não. Ajudou? Espero que sim. Tomei também corticoide, anticoagulante, antibiótico". Também ao jornal O Globo, mais cedo, ao ser questionado sobre a posição de Bolsonaro em defesa da droga, Kalil disse que embora a ciência esteja acima de tudo, a cloroquina já é usada há décadas e seu uso pode ser considerado em conjunto com outras medicações, com o objetivo de evitar que pacientes precisem de atendimento em UTIs. "Independentemente de não ter estudo científico, acho que vale a pena sem dúvida nenhuma. Não tenho medo de falar isso. Não sou infectologista. Se você pega essa gama de medicações com paciente internado e encurta a alta dele e evitar que vá pra UTI, você está salvando vidas", disse o médico. As orientações para uso da hidroxicloroquina e declarações sobre o assunto fizeram com que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alfinetasse João Doria, governador de São Paulo, e David Uip, coordenador do comitê de controle do coronavírus do estado. Uip, antes, havia dito que orientou o Ministério da Saúde sobre a distribuição de cloroquina na rede pública para pacientes internados. "Hoje esse medicamento não tem paternidade, governador não precisa politizar esse assunto, esse assunto já esta devidamente colocado", afirmou Mandetta, que tem defendido mais estudos quanto a possível efetividade da droga e seu uso somente para casos graves e críticos, como recomenda o protocolo do ministério. Enquanto isso, Bolsonaro, sem citar dados de pesquisas, defende o tratamento precoce com a droga. "Agora tem uma outra coisa esse tratamento começou aqui no Brasil que tem que ser feito, com quem a gente tem conversado, até o quarto ou dia útil [sic] dos sintomas. Passando disso, como a evolução é muito rápida e ele ataca basicamente o pulmão, quando entrar no estado grave ou no estado gravíssimo, a possibilidade de você se curar é mínima, é quase zero", disse. Já Mandetta afirma que não faz sentido prescrever a droga para pacientes com sintomas iniciais, considerando que a pessoa pode estar contaminada com outros vírus respiratórios que circulam no país, como o H1N1. "Entrar com um medicamento sem saber que vírus é já teria uma primeira complicação", disse, reforçando "não ser inteligente" receitar medicação para pessoas que não precisam dela.

  • Coronavírus: Fisioterapeuta do Rio desabafa sobre situação em hospital
    Notícias
    Extra

    Coronavírus: Fisioterapeuta do Rio desabafa sobre situação em hospital

    O desabafo de uma fisioterapeuta que trabalha em um hospital do Rio de Janeiro viralizou nas redes...

  • Sem trabalho, com fome e medo de ir ao médico: o drama dos brasileiros ilegais na quarentena em Londres
    Política
    BBC News Brasil

    Sem trabalho, com fome e medo de ir ao médico: o drama dos brasileiros ilegais na quarentena em Londres

    Paulista G. pediu ajuda do governo britânico para voltar ao Brasil depois de ficar sem trabalho e dinheiro para comer; 'enquanto muitas pessoas estão dentro de casa agora, continuamos a trabalhar, nos expondo. É como se não existíssemos', diz ele à BBC News Brasil.

  • Órgão de saúde dos EUA recua e muda texto sobre cloroquina em caso de coronavírus
    Saúde
    Folhapress

    Órgão de saúde dos EUA recua e muda texto sobre cloroquina em caso de coronavírus

    WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - Em meio às discussões sobre o uso da hidroxicloroquina e da cloroquina para tratar e prevenir a Covid-19, o Centro de Prevenção e Controle de Doença dos EUA (CDC, na sigla em inglês) retirou de seu site as orientações para os médicos sobre como prescrever a substância nos casos de coronavírus. O presidente Donald Trump tem feito uma defesa otimista sobre o remédio, utilizado hoje no tratamento de doenças como malária, lúpus e artrite reumatoide, e causou uma corrida desesperada às farmácias americanas nas últimas semanas. A cloroquina -ou sua variante, hidroxicloroquina- apresentou resultados promissores em dois estudos muito preliminares contra o coronavírus, mas ainda não há provas de sua verdadeira eficácia. A página do CDC intitulada "informações para clínicos sobre opções terapêuticas para pacientes com Covid-19" dizia que, "embora dosagem e duração da hidroxicloroquina no tratamento para a Covid-19 sejam desconhecidas, alguns clínicos dos EUA têm reportado" formas de prescrever o medicamento nesses casos. Agora o site diz apenas que "a hidroxicloroquina e a cloroquina estão sob investigação em ensaios clínicos para profilaxia pré-exposição ou pós-exposição da infecção por SARS-CoV-2 e tratamento de pacientes com Covid-19 leve, moderado e grave". E que "não há medicamentos ou outros terapêuticos aprovados pela FDA (agência reguladora de alimentos e medicamentos nos EUA) para prevenir ou tratar a Covid-19". A passagem inicial do site do CDC gerou debate na comunidade médica, já que não citava nenhum fato científico. Especialistas relataram à agência de notícias Reuters que os termos utilizados eram incomuns, já que "baseados em relatos." De acordo com a Reuters, a primeira orientação foi elaborada pelo CDC depois que Trump pressionou pessoalmente autoridades de saúde para tentar tornar o medicamento mais amplamente disponível para o tratamento de coronavírus. Questionado sobre os efeitos da substância e o fato de não haver ainda prova científica de que sua eficácia contra a Covid-19, Trump tem sido dúbio e, apesar de defender o remédio, termina suas declarações com "mas não sou médico." No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro também defende o remédio como tratamento para a Covid-19. Nesta terça-feira (7), o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, afirmou que recomenda o uso do medicamento a pacientes internados em estado grave, mas que não mudará o protocolo antes de evidências científicas robustas sobre a segurança e eficácia da droga nos casos de infecção por coronavírus.

  • Foto de Anitta e Manu Gavassi em festa volta a circular após suposta indireta
    Esportes
    Extra

    Foto de Anitta e Manu Gavassi em festa volta a circular após suposta indireta

    Manu teria tratado Anitta mal em uma festa

  • Covid-19 já matou em 1 mês e meio mais do que dengue, H1N1 e sarampo em todo 2019
    Saúde
    O Globo

    Covid-19 já matou em 1 mês e meio mais do que dengue, H1N1 e sarampo em todo 2019

    Aumento no número de casos de dengue neste ano pode acirrar ainda mais a disputa por leitos no sistema de saúde, alertam especialistas

  • Bolsonaro celebra o envio de matéria-prima de hidroxicloroquina por primeiro-ministro indiano: "Jamais esqueceremos"
    Política
    Yahoo Notícias

    Bolsonaro celebra o envio de matéria-prima de hidroxicloroquina por primeiro-ministro indiano: "Jamais esqueceremos"

    Narendra Modi liberou o envio um carregamento de insumos para produção de hidroxicloroquina ao Brasil

  • Notícias
    O Globo

    PF fotografou notas de dinheiro de propina para desembargadora do TJ da Bahia; veja fotos

    Investigação da Operação Faroeste monitorou a entrega de R$ 250 mil ao filho da magistrada

  • Secretaria de Saúde assume erro e pede desculpas por informação incorreta no painel de monitoramento do coronavírus
    Notícias
    Extra

    Secretaria de Saúde assume erro e pede desculpas por informação incorreta no painel de monitoramento do coronavírus

    A Secretaria de Estado de Saúde admitiu, na tarde desta quarta-feira, que a informação sobre o...

  • Ancelmo: Crivella decreta calamidade pública no município do Rio em função do coronavírus
    Notícias
    Extra

    Ancelmo: Crivella decreta calamidade pública no município do Rio em função do coronavírus

    O prefeito Marcelo Crivella editou decreto na noite desta quarta-feira para estabelecer estado de...

  • Coronavírus: o que apontam os estudos com cloroquina e outros possíveis remédios
    Saúde
    BBC News Brasil

    Coronavírus: o que apontam os estudos com cloroquina e outros possíveis remédios

    Fármacos já aprovados e utilizados para outras doenças seriam a melhor aposta, mas sua eficácia e segurança ainda não foi comprovada cientificamente; uso de plasma e até de sangue de verme marinho também está sendo estudado.

  • Ataques e recados diários de Doria a Bolsonaro já incomodam aliados
    Política
    Folhapress

    Ataques e recados diários de Doria a Bolsonaro já incomodam aliados

    Os dois chegaram a discutir em reunião com governadores --Bolsonaro disse que a possibilidade de ser presidente subiu à cabeça de Doria

  • 'BBB20': Fernanda Paes Leme critica Ivy e Giovanna Ewbank combina de tirar sister no paredão
    Entretenimento
    Extra

    'BBB20': Fernanda Paes Leme critica Ivy e Giovanna Ewbank combina de tirar sister no paredão

    Após o embate com Babu Santana no jogo da discórdia da última segunda-feira, dia 6, Ivy Moraes...

  • Confira na íntegra o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro no dia 8 de abril de 2020
    Notícias
    Originais do Yahoo

    Confira na íntegra o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro no dia 8 de abril de 2020

    08.04.2020 - Acompanhe o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, feito hoje à noite, em cadeia nacional de rádio e televisão, sobre o enfrentamento à Covid-19.

  • 'Ela tinha medo do coronavírus': exame confirma que mulher morreu por covid-19 após festa
    Saúde
    BBC News Brasil

    'Ela tinha medo do coronavírus': exame confirma que mulher morreu por covid-19 após festa

    Maria Salete Vieira começou a apresentar sintomas dias após participar de uma festa em família — depois do evento, outros convidados também ficaram doentes e dois irmãos dela morreram.

  • 'O presidente pode exonerar ministros, mas a Constituição não permite que ele adote políticas genocidas', diz Gilmar Mendes
    Política
    O Globo

    'O presidente pode exonerar ministros, mas a Constituição não permite que ele adote políticas genocidas', diz Gilmar Mendes

    Ministro voltou a dizer que, se Bolsonaro decidir revogar os decretos dos governadores que determinam o isolamento social, a medida deve ser derrubada no STF

  • Em derrota a Bolsonaro, Moraes decide que estados têm autonomia para impor isolamento social
    Política
    Folhapress

    Em derrota a Bolsonaro, Moraes decide que estados têm autonomia para impor isolamento social

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu nesta quarta-feira (8) que governos estaduais e municipais têm autonomia para determinar o isolamento social. Segundo o magistrado, o governo federal não pode "afastar unilateralmente" as decisões de executivos locais sobre as medidas de restrição de circulação que vêm sendo adotadas durante a pandemia do novo coronavírus. E esclarece que a decisão vale "independentemente" de posterior ato do presidente Jair Bolsonaro em sentido contrário. Moraes decidiu na ação em que a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) pede para o Supremo obrigar o presidente Jair Bolsonaro a seguir as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde). O ministro foi na mesma linha da decisão de março do ministro Marco Aurélio, em outra ação, e afirmou que os entes da federação têm competência concorrente nesta área, ou seja, a decisão de um não pode sobrepor a do outro. O magistrado ressalta que é "inequívoco" que pode ocorrer eventual conflito federativo e classifica como "importantes" as medidas que estados vêm adotando. Segundo o magistrado, a eficácia do isolamento social, da suspensão de atividades de ensino e a restrição a comércios, atividades sociais e à circulação de pessoas estão comprovadas por vários estudos científicos e seguem as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde). No processo, a Advocacia-Geral da União afirmou que o Executivo tem seguido todas as orientação da OMS. Bolsonaro, no entanto, tem criticado o isolamento social e defendido o que chama de isolamento vertical, só para pessoas em situação de risco. A decisão é mais uma sinalização de que o Supremo está disposto a derrubar eventual decreto de Bolsonaro para flexibilizar a quarentena. O ministro afirma que a sobreposição de decisões a respeito podem criar riscos sociais e à saúde pública que justificam a concessão da liminar. A decisão tem efeito até o plenário da Corte analisar a matéria. "A adoção constitucional do Estado Federal gravita em torno do princípio da autonomia das entidades federativas, que pressupõe repartição de competências legislativas, administrativas e tributárias".

  • Coronavírus: a festa que pode ter espalhado o vírus em uma família de SP e levado à morte de 3 pessoas
    Saúde
    BBC News Brasil

    Coronavírus: a festa que pode ter espalhado o vírus em uma família de SP e levado à morte de 3 pessoas

    Depois do evento, ao menos 14 convidados tiveram sintomas da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus; entre os casos, três irmãos, com mais de 60 anos, tiveram complicações graves e morreram pouco mais de duas semanas depois.

  • Bolsonaro diz que médico pode ter tomado 'decisão histórica' com cloroquina
    Política
    Yahoo Notícias

    Bolsonaro diz que médico pode ter tomado 'decisão histórica' com cloroquina

    Presidente citou caso de diretor do Hospital Sírio-Libanês e botou responsabilidade de medidas restritivas em governos estaduais e municipais

  • EUA tem quase 2 mil mortos por coronavírus em 24 horas
    Notícias
    AFP

    EUA tem quase 2 mil mortos por coronavírus em 24 horas

    Os Estados Unidos registraram 1.939 mortes pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas. O número é o maior do mundo em apenas um dia e deixa para trás o recorde que ja pertencia ao país.

  • Saúde
    BBC News Brasil

    Coronavírus: Por dentro de uma UTI de um hospital lutando contra a covid-19

    Repórter da BBC visitou hospital em Londres, no Reino Unido, e entrevistou médicos tratando de pacientes em condições graves por causa da doença.