Em sete meses, quase dez quilos de drogas foram apreendidos nas partes íntimas de visitantes em presídios

Uma mulher foi visitar seu parceiro na manhã da última quarta-feira, feriado do Dia de Finados, no presídio Serrano Neves, que faz parte do Complexo Penitenciário de Gericinó, situado em Bangu, Zona Oeste do Rio. Quando passou por uma revista pelo scanner corporal, foi identificado a presença de algo diferente em sua genitália. Posteriormente, foi percebido que tratava-se de um recipiente contendo pasta preta e erva seca. Segundo dados da Polícia Penal, em sete meses foram apreendidos quase 10 quilos de drogas em partes íntimas de visitantes que tentavam acessar presídios. Após o ocorrido com a moça, ela foi conduzida à 35ª DP.

Cabos de telefonia: Polícia investiga se milícia já explora venda de cobre furtado no Rio

O futuro do Centro: Masterplan do BNDES vai propor ações em 75 prédios públicos para revitalizar a região

Segundo dados da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) mostram que de abril a outubro, por meio de imagens de scanners, 46 visitantes foram flagrados tentando entrar em presídios com recipientes em seus corpos.

Ao todo, foram apreendidos com essas pessoas: 9,7 quilos de drogas. Os entorpecentes são: 5,7 quilos de maconha, 2 quilos de cocaína e 1,9 quilos de haxixe. Além disso, tentaram entrar também com 12 celulares, 31 chips e um modem.

Na Barra: Passageiros acusam homem de cometer atos obscenos em ônibus de condomínio

Menos de 24 horas antes do caso do Dia de Finados, na terça-feira, uma outra mulher tentava entrar no presídio Benjamin de Moraes Filho como visitante quando passou pelo scanner corporal e foi verificada uma imagem suspeita em suas partes íntimas. Após o ocorrido, a moça foi conduzida a uma sala reservada e voluntariamente retirou um recipiente contendo pó branco, identificado como entorpecente.

De acordo com a SEAP, essas apreensões são consequência dos esforços que a corporação têm feito para reduzir a entrada de entorpecentes e celulares nas unidades prisionais.