Em show de despedida, Milton Nascimento presta homenagem a Gal Costa

Milton Nascimento não conteve a emoção diante do público estimado em 55 mil pessoas, no Estádio Mineirão, neste domingo (13). Na apresentação que encerrou a turnê "A última sessão de música", anunciada como a derradeira de sua carreira, o cantor de 80 anos foi às lágrimas com a resposta calorosa do público e a participação de colegas do Clube da Esquina — na ocasião, Beto Guedes, Lô Borges, Toninho Horta e Wagner Tiso subiram ao palco, para cantar músicas de sucesso do disco homônimo.

Entrevista: Filho de Gal Costa fala sobre perda e luto: 'Minha mãe revolucionou o mundo inteiro'

Milton Nascimento: ‘Não penso em nada que eu não fiz e gostaria de ter feito’, diz o cantor, ao comentar aposentadoria dos palcos

O artista abriu a apresentação — que teve transmissão ao vivo, por meio do Globoplay — com um tributo a Gal Costa, morta na última quarta-feira (9), aos 77 anos, em decorrência de um infarto. "Esse show é dedicado à minha querida Gal Costa", afirmou Milton, depois de cantar "Ponta de Areia", a primeira música no repertório do show. Antes, uma fotografia de Gal abraçada a Milton havia sido reproduzida nos telões do palco.

Um vídeo antigo mostrando Miltn e Gal cantando "Paula e Bebeto" foi mostrado também antes do início do show. Em seguida, as caixas de som reproduziram a gravação de "Pérola Negra", na voz da cantora, seguida por "Dê um Rolê", "Barato Total", "Pontos de Luz" e "Objeto sim, objeto não".

Aposentadoria dos palcos

“A última sessão de música” é a turnê final de Milton, que anunciou aposentadoria dos shows. O artista diz que poderá ainda fazer gravações, mas não subirá mais em palcos.

— De shows, eu quero parar. Mas quero continuar compondo e cantando. Não vou deixar de mexer com música — afirmou ele, em recente entrevista ao GLOBO.

O roteiro dos shows dessa turnê derradeira foi quase todo cronológico. Na primeira parte, estava lá “Travessia”, a música que ficou com o segundo lugar no Festival Internacional da Canção de 1967 e impulsionou a carreira do artista. Foi a primeira parceria com Fernando Brant, que nem se imaginava letrista. “Outubro”, a segunda parceria, também esteve no repertório.

Em seguida, Milton enfileirou canções de vários discos, de “Milton” (1970) até “Pietá” (2002). Ao final, entoou “Encontros e despedidas”, faixa-título do LP de 1986.