Em silêncio sobre declarações do presidente Bolsonaro, Aras evita debate sobre voto impresso

·1 minuto de leitura

Apesar das críticas feitas pelas principais autoridades públicas às ameaças do presidente Jair Bolsonaro sobre as eleições do ano que vem, o procurador-geral da República, Augusto Aras, mantém silêncio sobre o assunto desde a semana passada. Nos bastidores, a orientação da sua equipe é evitar posicionamentos a respeito do voto impresso, foco de embates entre Bolsonaro e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e tratar o assunto como um tema da esfera do Congresso Nacional, sem interferência da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Para garantir essa linha de atuação, Aras escolheu um nome de perfil discreto para comandar o Ministério Público Eleitoral em 2022: o subprocurador-geral da República Paulo Gonet Branco. Caberá a Gonet, no posto de vice-procurador-geral-eleitoral, fiscalizar a lisura do pleito e irregularidades praticadas pelos candidatos.

Sua nomeação ainda não foi oficializada e dependerá da recondução de Aras ao cargo de procurador-geral da República, o que deve ocorrer em setembro. Mas Gonet tem bom trânsito com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e com a deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF), que foi alvo do inquérito dos atos antidemocráticos. Em 2019, Bia Kicis chegou a levar Gonet ao Palácio do Planalto como um possível nome para o comando da PGR.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos