Em SP, Ilhabela e São Sebastião veem piora da qualidade da água

ILHABELA, SP, BRASIL, 14-12-2019: Praia de Itaquanduba, em Ilhabela. A praia piorou a sua classificação nos últimos anos; de regular, em 2016, passou para ruim nos dois anos seguintes e, em 2019, foi avaliada como péssima. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

ILHABELA, SP (FOLHAPRESS) - Sete pessoas ocupavam a faixa de areia de pouco mais de cem metros no final de semana em Ilhabela: quatro jogavam beach tennis, um casal tomava sol e a sétima lia um livro. No mar ninguém estava, apesar de os termômetros cravarem temperaturas acima de 30ºC.

Uma bandeira vermelha mostrava que a praia de Itaquanduba estava imprópria. Não só naquele dia --a classificação "ruim" dos anos anteriores virou "péssima" em 2019. Em 37 das 52 medições feitas pela Cetesb do fim de 2018 até outubro ela estava imprópria.

Pela primeira vez desde que o levantamento passou a ser feito pelo jornal Folha de S.Paulo, para o verão de 2017, nenhum dos 19 pontos em Ilhabela foi classificado como bom. E, se em 2018 houve 4 pontos ruins, neste ano as notas negativas chegaram a 11 --3 péssimas e 8 ruins.

A Cetesb avalia que as chuvas prejudicaram a qualidade das praias, que passaram a ter um número grande de locais impróprios de maneira geral. Por quatro anos até 2017, as praias vinham apresentado melhora.

"Ilhabela tem ocupações irregulares, nelas não é possível colocar rede de esgoto", diz Claudia Lamparelli, gerente do setor de águas litorâneas da Cetesb. "Outra questão é a sazonalidade, pois no verão tem fluxo de turistas, muitas vezes o dobro da população."

Na vizinha São Sebastião, 4 dos 30 pontos foram classificados como péssimos (ante 1 no ano passado). Já o total de praias boas, 9, se manteve.

A cobertura de esgoto de Ilhabela é a menor do litoral, e as soluções são difíceis porque há bairros isolados. "Ilhabela teve 32% de crescimento populacional nos últimos dez anos. Muitas vezes o saneamento não consegue acompanhar", diz Lamparelli.

A Prefeitura de Ilhabela informou que tem feito investimentos para solucionar questões históricas, como a implantação de 24 km de rede coletora entre os bairros Praia Grande e Veloso.

Lamparelli afirma que, se tomados os quatro municípios do litoral norte (Ilhabela, São Sebastião, Ubatuba e Caraguatatuba), o total de praias boas subiu e caiu o de péssimas.

O analista judiciário Danilo de Magalhães Lescreck, 41, o mesmo que lia um livro sentado em Itaquanduba, disse que chegara a entrar na água.

"Sou de Santos [com seus sete pontos monitorados "péssimos"], acho que tenho casca dura. Não só em Ilhabela, esse problema de saneamento é negligenciado pelos governos. É obra que não aparece, mas tira o prazer e a qualidade de vida das pessoas." MT

Veja quais praias estão próprias para banho em folha.com/0o36b85a