Em SP,professores reclamam de aglomeração e falta de kits em testes de Covid da prefeitura

O Globo
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO. Professores da prefeitura de São Paulo reclamam de aglomerações na porta das escolas nesta segunda-feira, quando foi realizado um mutirão de testagem dos profissionais para diagnóstico da Covid-19.

Vídeos e fotos mostram filas de professores à espera de testagem em unidades dos Centros Educacionais Unificados (CEUs) de Aricanduva, Paulistano, Formosa, Curuçá, Paraisópolis e Feitiço da Vila.

O Sindicato dos Servidores Municipais informou que o problema também foi registrado em outras escolas e alertou para o risco contaminação durante as testagem.

O plano da prefeitura é fazer um censo sorológico em toda a rede municipal de ensino de cerca de 140 mil trabalhadores para decidir como seria a volta às aulas presenciais na capital. Por enquanto, a previsão é de que o ensino presencial, que está suspenso, retorne em 12 de abril. No entanto, essa data pode ser adiada caso haja a prorrogação da fase emergencial do Plano São Paulo.

Segundo a prefeitura, o mutirão de testagem será realizado nos 46 Centros Educacionais Unificados (CEUs). Além dos professores, a ideia é submeter ao diagnóstico também os profissionais de limpeza, cozinha e transporte e estagiários, entre outros.

Outro lado

Em nota, as secretarias Municipais de Saúde e Educação informaram que as equipes serão reforçadas para o atendimento dos professores e servidores. E que também foram realizadas novas orientações para que os protocolos de distanciamento sejam cumpridos.

"As secretarias esclarecem que existe uma alta expectativa da parte dos profissionais e servidores de educação para identificarem a resposta imunológica frente à Covid-19. Os profissionais que não conseguiram realizar os testes hoje, terão seus exames reagendados".