Em sua primeira viagem oficial, Teich visita Manaus, colapsada pelo coronavírus

FABIANO MAISONNAVE

MANAUS, AM (FOLHAPRESS) - Três semanas após o sistema de saúde do Amazonas colapsar, o ministro da Saúde, Nelson Teich, desembarcou em Manaus na tarde deste domingo (3) com um reforço de profissionais para reforçar o combate ao novo coronavírus no estado.

O ministério, porém, reduziu esse contingente para 267 profissionais, conforme nota publicada neste sábado (2). Três dias antes, a própria pasta havia anunciado 581 profissionais. Procurada pela reportagem, a pasta não explicou a diminuição até a conclusão desta texto.

O reforço federal foi contratado dentro do programa "O Brasil Conta Comigo". Quase todos são de Manaus 1 -os 31 profissionais de fora da cidade chegam junto com a comitiva de Teich. A contratação é temporária, por até seis meses.

Além de Manaus, eles atuarão em Tabatinga, Itacoatiara e Manacaparu. Dos 6.683 casos confirmados até este sábado, 39% estão no interior, onde o atendimento é mais precário -só a capital dispõe de UTI, em um estado cujo território equivale à soma das regiões Sul e Sudeste.

A chegada de Teich coincide com mais um novo recorde de novos casos confirmados em 24h, 621 registros neste domingo (3). O total de mortos chega a 548, e 1.901 se recuperaram da doença no Amazonas.

Em abril, os cemitérios públicos de Manaus registraram 2.435 sepultamentos, um aumento de 179,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Parte desses enterros ocorreu em valas comuns, cujas imagens rodaram o mundo.

Dos 985 sepultamentos entre os dias 23 e 30, o período de pico, menos de 10% tinham o coronavírus como a causa de morte, indicando uma grande subnotificação.

Teich também deve tratar da abertura, em Manaus, de um hospital de campanha para a população indígena. Trata-se de uma promessa do seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta, em 11 de abril, até agora sem data de inauguração.

Os indígenas com coronavírus somam 120 casos confirmados, com 6 óbitos, segundo a Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), ligada ao Ministério da Saúde. A região mais atingida é o Alto Rio Solimões (AM), com 59 casos.

Esses números não incluem indígenas nas cidades, que entram no cômputo geral. A Sesai atende apenas a "aldeados", ou seja, dentro de terras indígenas.

Agenda e reivindicações Em Manaus, Teich tem encontros marcados com o governador Wilson Clima (PSC), o prefeito Arthur Virgílio Lima (PSDB) e com o Comando Militar da Amazônia (CMA), além de visitar os três hospitais da cidade exclusivos para o novo coronavírus.

Fora da agenda oficial, a presidente do Sindipriv (Sindicato dos trabalhadores de saúde terceirizados do Amazonas), Graciete Mouvinho, 54, diz que as novas contrações são bem-vindas, mas pede que Teich busque soluções para EPIs (equipamentos de proteção individual) e um melhor atendimento médico aos profissionais de saúde.

"Faltam EPIs adequados. Precisamos de máscara N95. Estão doando uma máscara que não é tão eficaz para quem está na linha de frente", afirmou.

Outra reivindicação do sindicato é a criação de uma equipe para atender os profissionais com Covid-19. "Precisamos de atendimento médico e de um local onde eles fiquem, porque eles estão levando a contaminação pra dentro de suas casas."

"Não há apoio psicológico, temos de enfrentar fila pra nos consultarmos. Até pra teste tem fila. Não tem medicação, estamos comprando para que o profissional possa se recuperar e voltar a trabalhar", disse Mouvinho.