Em um mês, 12 presos morrem por causa da Covid-19 no estado de SP

ALFREDO HENRIQUE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O sistema carcerário paulista confirmou nesta terça-feira (19) a morte de 12 presos em decorrência da Covid-19 em um mês. No total, outros 30 detentos testaram positivo para o vírus até o fim da tarde desta terça, quando os dados foram encaminhados à reportagem pela SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), gestão João Doria (PSDB).

A primeira morte confirmada de um preso de São Paulo foi a do detento José Iran Alves da Silva, 66 anos, há exato um mês, na Santa Casa de Sorocaba (99 km de SP).

Santos cumpria pena na penitenciária 2 Doutor Antonio de Souza Neto, em Sorocaba.

Considerando a data do primeiro falecimento, com a atualização de óbitos da SAP, é como se um presidiário morresse por causa da Covid-19 a cada dois dias e meio no estado. A pasta não confirmou onde ocorreram os outros 11 falecimentos.

Além das mortes e casos confirmados, a SAP acrescentou que 110 presidiários permanecem isolados de outros detentos, preventivamente, pois estão com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus.

"Nos casos suspeitos entre os presos, o paciente é isolado e a Vigilância Epidemiológica local é contatada. Os servidores em contato com o paciente devem usar mecanismos de proteção padrão, como máscaras e luvas descartáveis", diz trecho de nota da pasta.

Em todo o sistema carcerário paulista, 54 servidores também testaram positivo para a Covid-19, dos quais 10 morreram por causa da doença. Além disso, outros 211 servidores foram afastados preventivamente, por suspeita de contaminação pelo vírus.

Tantos os funcionários contaminados, quanto os afastados de seus postos, têm o quadro clínico acompanhado pelo Comitê de Contingência do coronavírus e pela SAP, que afirmou oferecer "todo o suporte necessário" para a recuperação dos servidores, sem especificar como.