Em um túnel clandestino cavado em Londres, uma adolescente ambientalista resiste

Joe JACKSON y Anna MALPAS
·3 minuto de leitura
Uma recente foto sem data divulgada pela HS2 Rebellion em 4 de fevereiro de 2021 mostra a ativista britânica Blue Sandford em um túnel sob Euston Square Gardens, perto da Estação Euston, em Londres

Em um túnel clandestino cavado perto de uma das ruas mais movimentadas de Londres, Blue Sandford, de 18 anos, se declara pronta para fazer qualquer coisa para impedir a construção de uma linha ferroviária de alta velocidade para o norte da Inglaterra.

A jovem, apelidada de "Greta Thunberg britânica" em homenagem à ativista sueca, tornou-se uma das principais figuras do movimento de protesto contra este colossal projeto, questionada por seu enorme custo, seus repetidos atrasos e seu impacto ambiental.

As autoridades vêm tentando há dias despejar uma dúzia de manifestantes entrincheirados no túnel cavado sob o Euston Square Gardens, próximo a uma movimentada estação de trem.

E Blue promete tornar sua tarefa o mais difícil possível. “Eles terão que chegar até nós” através dos 30 metros de túnel cavado clandestinamente e bloqueado por ativistas em vários pontos, disse ela à AFP.

De acordo com Blue, eles têm suprimentos suficientes para durar mais várias semanas nesta estrutura localizada a pouco menos de um metro de profundidade.

“Estou muito cansada. Gostaria de ir, mas vim para ficar”, insiste.

Outro dos manifestantes desse movimento é Daniel Hooper, também conhecido como "Pantanoso", que já passou uma semana em um túnel em 1996 tentando impedir a construção de uma estrada no sudoeste da Inglaterra. Desta vez, seu filho adolescente está com ele.

- "Um projeto vaidoso" -

Em fevereiro de 2020, o primeiro-ministro Boris Johnson aprovou o projeto High Speed Two (HS2), apesar de seu custo astronômico, que poderia ultrapassar 100 bilhões de libras e da oposição de uma parte da classe política, pedindo para investir o dinheiro na modernização das linhas regionais existentes.

Será a segunda linha de alta velocidade em todo o Reino Unido depois da HS1, usada pelo Eurostar, que liga Londres a França, Bélgica e Holanda.

Para os críticos do HS2, o projeto, lançado no ano passado, vai destruir florestas antigas e minar os esforços do país para cumprir suas metas climáticas.

HS2 é “um projeto vaidoso que destruirá inúmeras florestas e matará pessoas por meio das mudanças climáticas”, diz Blue Sandford. Cavar neste túnel é “realmente muito extremo, mas estamos em uma situação extrema”, justifica.

Para mostrar sua oposição ao projeto, ativistas ambientais escalaram as copas das árvores em Buckinghamshire, centro da Inglaterra, em outubro, em uma floresta que supostamente inspirou o mundo de fantasia dos livros de Roald Dahl.

Nos jardins da Praça Euston, onde não há mais árvores, as autoridades construíram um túnel paralelo para tentar inserir os ambientalistas no subsolo.

Um vídeo postado por ativistas nas redes sociais os mostra lutando para expulsar Lazer, irmão de Sandford, entre outros.

A jovem, originalmente do norte de Londres, foi comparada a Greta Thunberg desde que ela observou uma "greve escolar" para se juntar ao movimento ambiental Rebelião da Extinção há mais de um ano.

Ela acha a comparação "bastante lisonjeira" porque a ativista adolescente sueca é "legal e inspiradora", diz.

De acordo com a mídia britânica, o pai de Blue também é um ativista ambiental que vive em uma área remota de uma ilha escocesa.

jj-am/acc/jz/ap