Em vídeo, entregador desaparecido na Zona Norte do Rio é agredido por traficante

Carolina Heringer
·3 minuto de leitura
Reprodução

RIO — Um criminoso gravou um vídeo no qual aparece agredindo o entregador Douglas de Oliveira Figueiredo, de 20 anos, que está desaparecido desde a última sexta-feira. Na gravação, que circula em redes sociais, o traficante agride o jovem com uma pistola no lado direto da cabeça, e o ameaça, apontando a arma para ele. No lado esquerdo do rosto de Douglas, há sangue escorrendo.

A família de Douglas suspeita que o rapaz, que trabalha em uma rede de farmácias, tenha sido capturado e morto por traficantes em Coelho Neto, após ter sido confundido com um criminoso de uma facção rival.

No vídeo, o criminoso pergunta a Douglas o que ele ia fazer na "Guaxa", referindo-se à Rua Guaxindiba, em Coelho Neto, onde o rapaz teria sido capturado. O entregador responde que "daria o bote". O criminoso, então, retruca, perguntando se ele achava que os traficantes estavam "panguando", que na gíria das comunidades significa não estar prestando atenção, estar desatento. Douglas responde que não.

Familiares acreditam que Douglas tenha sido obrigado a dizer, na gravação, que "daria o bote", que pode significar atacar a facção rival. Os parentes afirmam que o entregador não tem envolvimento com o tráfico. A Polícia Civil também não encontrou qualquer indício de que Douglas tenha envolvimento com os criminosos. Os investigadores já estão com o vídeo no qual o entregador é agredido.

De acordo com informações de familiares, Douglas, que é morador de Acari, desapareceu após ter ido fazer uma entrega na Rua Guaxindiba. Na via, há uma boca de fumo controlada por traficantes da comunidade Proença Rosa.

O caso foi registrado na 39ª DP (Pavuna). A Proença Rosa é dominada por traficantes da maior facção criminosa do Rio, rivais dos criminosos que atuam na favela da Acari, onde Douglas mora. As suspeitas da polícia são de que o entregador tenha sido confundido com traficantes rivais aos da Proença Rosa ou que ele tenha sido morto apenas por residir em uma favela comandada por criminosos de outra facção.

Nessa segunda-feira, dia 1º, policiais da 39ª DP fizeram buscas pelo entregador, mas ele não foi localizado. Os investigadores chegaram a procurar pelo corpo do rapaz em um rio da região, após informações recebidas, mas nada foi encontrado. A mãe de Douglas acompanhou as buscas. O entregador tem um filho de 2 anos e será pai pela segunda vez, ainda este mês. A família do jovem fez um apelo pedindo informações para encontrar o entregador.

— Estamos desesperados com isso tudo que está acontecendo. O Douglas é um menino bom que nunca teve problemas com a polícia e jamais se envolveu com coisa errada. Vai ser pai pela segunda vez a qualquer momento. A esposa dele está para dar a luz. Estamos todos a poder de remédios. Tudo o que queremos é saber o que aconteceu. Por favor, nos ajudem com alguma informação — disse um parente do rapaz.

Um familiar disse que ainda tem esperanças de encontrar Douglas com vida.

— Ainda temos esperanças sim de encontrar o Douglas vivo. Ninguém na família está conseguindo dormir com este problema — disse o parente do rapaz.

Nesta segunda-feira, a investigação do caso foi transferida para a Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA). A Delegacia da Pavuna atuará auxiliando a especializada com informações da região