Em vídeo, Leite diz que PSDB não pode ter dono, ser "privatizado" e entregue 'a quem não é'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO — O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, afirmou nesta terça-feira que o partido não pode ter dono, nem ser "privatizado", num claro recado ao governador João Doria, seu principal rival na disputa.

Doria e Leite disputam a indicação do partido para a presidência da República em 2022. Eles são apontados como favoritos na disputa, enquanto o ex-prefeito Arthur Virgílio, que também está no páreo, corre por fora.

As declarações foram feitas num vídeo divulgado pela campanha nesta tarde em que o gaúcho se dirige aos filiados da sigla. Leite ainda afirmou que é preciso "separar o joio do trigo", ao se referir a uma série de denúncias e acusações contra o grupo do paulista. No domingo, a deputada federal Mara Rocha (PSDB-AC) acusou aliado de Doria de tentarem comprar seu voto, mas não apresentou provas.

"Não podemos entregar o PSDB a quem não é PSDB. Para quem só sabe conjugar no 'eu'. E não sabe que o partido se conjuga no nós", afirma Leite, que anunciou que fará lives diárias para tratar das primárias.

As rebater as acusações do grupo de Leite, aliado de Doria têm dito que o gaúcho Leite foi favorecido pelos caciques da sigla, que trabalharam para mudar as regras das prévias e prejudicar o paulista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos