Em vídeo, prefeitos narram colapso e pedem ajuda internacional para combater Covid

ANA LUIZA ALBUQUERQUE
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Prefeitos de oito cidades do país, entre elas seis capitais, pediram socorro internacional no combate à pandemia da Covid-19 em vídeo produzido e divulgado nesta segunda-feira (29) pela FNP (Frente Nacional de Prefeitos). Na gravação, com legendas em inglês, os gestores afirmam que, se tiverem a ajuda de outros nações, poderiam disponibilizar leitos, medicamentos, testagem gratuita, vacinas e oxigênio, além de auxiliar as populações mais vulneráveis. Participaram do projeto os prefeitos do Rio de Janeiro (RJ), Eduardo Paes (MDB); de Aracaju (SE), Edvaldo Nogueira (PDT); de Florianópolis (SC), Gean Loureiro (DEM); de Salvador (BA), Bruno Reis (DEM); de Belém (PA), Edmilson Rodrigues (PSOL); de Fortaleza (CE), José Sarto (PDT); de Caruaru (PE), Raquel Lyra (PSDB); e de Pelotas (RS), Paula Mascarenhas (PSDB). No vídeo, os prefeitos alternam e completam suas falas, sugerindo que estão unidos. Afirmam que o Brasil passa pela maior crise sanitária e humanitária de sua história, enfrentando um colapso no sistema de saúde, no turismo, na economia e na vida da população. "O vírus se replica rapidamente, sofre mutações, a transmissão aumenta. É uma questão de tempo para mais variantes e mortes. Chegamos a uma fase crítica de ocupação de leitos de UTI. A falta de insumos em todos os municípios nos torna um grande epicentro da pandemia, com milhares de mortes por dia", diz o texto da gravação. "Acreditamos na ciência e precisamos de mais vacinas. Precisamos começar agora a acelerar os programas de vacinação, aumentar as medidas antiaglomeração, punir informações falsas, reforçar as medidas preventivas (...) Somos nós, prefeitos, os responsáveis por vacinar a população dos nossos municípios. Por isso estamos unidos, pedindo socorro." Segundo a Frente Nacional de Prefeitos, o objetivo do projeto é divulgar, na mídia nacional e internacional, que os prefeitos estão empenhados em enfrentar a Covid-19 amparados pela ciência. De acordo com a frente, o Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras já reúne mais de 2.600 municípios interessados em adquirir vacinas, medicamentos e insumos. O objetivo do consórcio é oferecer suporte às cidades caso o Programa Nacional de Imunização não consiga suprir a demanda nacional. Em fevereiro, o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou que estados e municípios participassem de negociações para a aquisição de vacinas contra a Covid-19. O Brasil registrou 1.969 mortes e 44.720 casos da doença nas últimas 24 horas, em meio a um forte recrudescimento da pandemia. O país chegou ao quarto dia seguido de recorde de média móvel de mortes, que agora é de 2.655.