Previsão da liberação de IFA da CoronaVac pela China não se cumprirá, diz Butantan

·2 minuto de leitura
Funcionários pegam ampolas da CoronaVac no centro de produção do Instituto Butantan

SÃO PAULO (Reuters) -A previsão do Instituto Butantan de liberação pelo governo da China de um novo lote do insumo farmacêutico da CoronaVac na quinta-feira não irá se concretizar, e não há data prevista para que os chineses liberem a exportação dos insumos da vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac para envase no Brasil, disse o presidente do Butantan, Dimas Covas, nesta quarta-feira.

"Até o final da semana passada a gente tinha a perspectiva de autorização para exportação até o dia 13, e na reunião da manhã --nós mantemos uma reunião diária com o vice-presidente da Sinovac-- essa previsão não vai se cumprir", disse Covas em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado.

"Portanto, nós não temos data neste momento prevista para essa autorização", acrescentou.

Na mesma entrevista, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que conversou nesta quarta-feira com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, e recebeu dele a promessa de que reiterará junto ao Ministério das Relações Exteriores chinês em Pequim o pedido pela liberação do IFA da CoronaVac.

Doria afirmou ainda que o governo federal deveria pedir desculpas públicas ao governo da China por declarações recentes contrárias ao país asiático feitas por autoridades como o presidente Jair Bolsonaro. O governador, que é desafeto de Bolsonaro, atribui o atraso na liberação do IFA por Pequim ao que chama de "mal-estar diplomático" causada pelas declarações do presidente e de outras autoridades contra a China.

"O embaixador Wanming me disse que voltará a falar amanhã com a chancelaria chinesa em Pequim renovando o apelo para que haja a liberação dos insumos que estão prontos no laboratório Sinovac, são 10 mil litros de insumos, suficientes para cerca de 18 milhões de doses da vacina", afirmou Doria.

Mais cedo, o governador disse que na sexta-feira o Butantan entregará 1 milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde e, após isso, não terá mais IFA para processar e terá de paralisar a produção. Disse ainda que a falta de insumos pode levar o Butatan a rever a previsão de totalizar a entrega de 100 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde até o final de setembro.[nL1N2MZ138]

Após a entrega prevista para sexta-feira, o Butantan terá concluído a entrega de 47 milhões de doses da CoronaVac ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde. Segundo dados da pasta, 72,7% das doses aplicadas na campanha nacional de vacinação contra Covid-19 no Brasil foram da CoronaVac, que está sendo envasada pelo Butantan.

(Reportagem de Eduardo SimõesEdição de Alexandre Caverni)