Embaixador da Itália morre em ataque no leste da República Democrática do Congo

·2 minuto de leitura

O embaixador da Itália em Kinshasa, Luca Attanasio, morreu, nesta segunda-feira, depois de ser atingido por tiros em um ataque durante uma visita à região de Goma, leste da República Democrática do Congo (RDC). Além de Attanasio, que estava no posto desde o início de 2018, ao menos um militar italiano também morreu. Até o momento, nenhum grupo reinvindicou a autoria do atentado.

"Com profunda dor, o ministério das Relações Exteriores confirma a morte, hoje em Goma, do embaixador italiano e de um policial italiano", afirmou em comunicado o ministério.

O embaixador e o soldado estavam viajando em um comboio da Monusco, a Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo

O ataque ocorreu por volta das 10h (5h no horário de Brasília) em uma área ocupada por diversos grupos armados. A região de Goma, próxima à fronteira com Ruanda e Uganda, é considerada de alto risco para a atuação de grupos humanitários e de direitos humanos. Por isso, a Monusco atuava fortemente na área.

O ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio, que estava em Bruxelas, anunciou o retorno imediato a Roma para acompanhar o caso.

Segundo o que disse uma fonte diplomática para a agência de notícias AFP, o embaixador foi levado gravemente "ferido por um tiro no abdômen" para um hospital em Goma. Autoridades locais haviam dito, anteriormente, que duas pessoas no comboio foram mortas e o embaixador ferido. A terceira pessoa morta seria um motorista, disseram fontes diplomáticas.

— As Forças Armadas congolesas estão na região para encontrar os criminosos — anunciou o Exército do país.

O ataque contra o comboio aconteceu ao norte de Goma, a cidade mais importante da província de Kivu do Norte, cenário de atos de violência de grupos armados há mais de 25 anos. A região abriga o parque nacional de Virunga, joia turística ameaçada, que também é cenário de conflitos entre os grupos armados que disputam o controle de suas riquezas naturais.