Embaixador russo em Washington voltará a Moscou no sábado

·1 minuto de leitura
Os presidentes Joe Biden (EUA) e vladimir Putin (Rússia)

O embaixador da Rússia nos Estados Unidos deixará o país no sábado, convocado pelas autoridades de Moscou, depois que o presidente americano, Joe Biden, chamou o colega Vladimir Putin de "assassino".

"Em reuniões no ministério das Relações Exteriores e em outros organismos serão examinadas as maneiras de corrigir a relação Rússia-EUA atualmente em crise", escreveu em sua página do Facebook a embaixada russa nos Estados Unidos.

De acordo com a representação diplomática, as "declarações imprudentes de autoridades americanas correm o risco de provocar o colapso de relações já conflituosas".

A diplomacia russa explicou que convocou para consultas o seu embaixador em Washington, Anatoli Antonov, depois das declarações de Biden.

Em entrevista à rede americana ABC News, Biden foi questionado sobre um relatório da inteligência dos Estados Unidos segundo o qual o presidente russo tentou minar sua candidatura nas eleições de novembro de 2020 e promover a de Donald Trump.

"Logo verão o preço que ele vai pagar", disse Biden.

Questionado se acreditava que Putin, acusado de ordenar o envenenamento do líder da oposição Alexei Navalny e de outros oponentes políticos, é um "assassino", Biden respondeu: "Acho que sim".

O Kremlin não reagiu oficialmente às afirmações.

A convocação para consultas de um embaixador é um fato raro na diplomacia russa.

O presidente da Câmara Baixa russa, Viacheslav Volodin, afirmou que Biden "insultou" todos os russos e "atacou" o país com suas declarações.

Um vice-presidente da Câmara Alta, Konstantin Kosachev, pediu "explicações e desculpas".

alf/rco/pz/bl/pc/fp