Emenda de relator não tem como dar certo, diz Márcio França, candidato ao Senado

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.09.2022 - O candidato ao Senado por São Paulo Márcio França (PSB). (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.09.2022 - O candidato ao Senado por São Paulo Márcio França (PSB). (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O candidato ao Senado por São Paulo Márcio França (PSB) afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo, nesta terça (27), que a forma como as emendas parlamentares vem sendo controladas nos últimos anos não tem como dar certo. "Principalmente esse [orçamento] secreto, mais cedo ou mais tarde isso vai dar problema jurídico", afirmou.

O ex-governador foi entrevistado por Ricardo Balthazar, repórter especial do jornal, em sabatina promovida com concorrentes ao Senado por São Paulo.

Além de França, a deputada estadual Janaína Paschoal (PRTB) também foi entrevistada nesta terça. A Folha de S.Paulo convidou os três candidatos mais bem colocados nas pesquisas eleitorais para as entrevistas, mas a equipe de Marcos Pontes (PL), ex-ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, disse não ter conseguido espaço na agenda para participar.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, França aparece na liderança das intenções de voto, com 31%, seguido por Pontes, com 19%, e Janaína, com 5%. Neste ano, apenas um candidato será eleito para a Casa.

Para França, candidato na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva, se o petista vencer as eleições precisará formar maioria e força política no Congresso para resolver a questão do Orçamento, pois só assim os parlamentares não terão coragem de se contrapor ao presidente da República.

"Se eu conheço bem o Lula, ele vai passar essa incumbência para o Alckmin, que é uma pessoa muito difícil, muito dura na negociação", afirmou. "Duvido que ele vai liberar qualquer centavo para emenda de parlamento que não tenha uma certa lógica", disse.

Questionado sobre se o STF (Supremo Tribunal Federal) deveria julgar as emendas de relator após as eleições, França afirmou que não será necessário se for eleito um um novo presidente da República que "recoloque as coisas no lugar".

Perguntado sobre que instrumentos o ex-presidente Lula vai ter para compor a nova maioria no Congresso, caso eleito, França afirmou que o petista é experiente e que o correto é fazer a composição partidária. "Quem ajuda a ganhar ajuda a governar", afirmou.

No ano que vem duas vagas no STF devem ser preenchidas, e, segundo o candidato, a indicação do presidente não deve se pautar por vínculos pessoais. "Ele tem que escolher pessoas que tenham lastros jurídicos e ao mesmo tempo bom senso", afirmou. "Tem que ser pessoas acostumadas com crises", concluiu.

Para ele, a forma como os ministros do Supremo são indicados e suas atribuições também deveriam mudar. "Sou autor de um projeto de mudança para que eles tenham mandato temporário [de dez anos] e sem possibilidade de reeleição", afirmou.