Emerson Fittipaldi concorre ao Senado italiano

Bicampeão da F1, Fittipaldi irá concorrer pelo Fratelli d'Italia, partido de extrema direita que líder admira Mussolini.
Bicampeão da F1, Fittipaldi irá concorrer pelo Fratelli d'Italia, partido de extrema direita que líder admira Mussolini. Foto: (Boris Streubel/Getty Images for Laureus)

Bicampeão mundial de Fórmula 1, o ex-piloto brasileiro Emerson Fittipaldi irá concorrer a uma vaga no Senado da Itália pelo Fratelli d'Itália, partido de extrema direita que tem Giorgia Meloni como líder, de acordo com informações publicadas pelo jornal italiano Il Giornale.

Giorgia Meloni é vista como 'polêmica' no cenário político italiano por causa de sua declarada admiração por Benito Mussolini, ex-ditador da Itália e um dos personagens marcados pela criação do fascismo.

Leia também:

Nascido no Brasil, Fittipaldi tem origem italiana por parte de seu pai e, também de acordo com a publicação da Itália, recebeu apoio de Jair Bolsonaro, presidente da República. Se eleito, o ex-piloto de 76 anos de idade irá focar seus projetos na área esportiva, buscando aumentar a quantidade de atletas italianos em diversos esportes, fazendo, inclusive, com que a cidadania italiana de atletas de diferentes origens seja reconhecida de forma mais rápida.

Ao Il Giornale, Fittipaldi se disse feliz em concorrer ao cargo público: "Estou muito feliz por concorrer ao Senado italiano nas eleições de 25 de setembro. Já coloquei no papel várias propostas e todas elas visam promover ações relacionadas aos brasileiros que têm fortes laços com as terras, a cultura e o esporte italianos. Espero ter o apoio dos eleitores do Brasil e da América Latina, mas também dos que moram na Itália, e dos italianos que sempre foram meus apoiadores".

Emerson Fittipaldi, em junho, teve seus bens penhorados por causa de uma dívida de R$ 416 mil com uma empresa de eventos. Somando todas as 60 ações judiciais que Fittipaldi é alvo, ele ultrapassa os R$ 27 milhões em dívidas.