Emilio Dantas detona Regina Duarte e Cássia Kis: "Errado chamar de artistas"

Ator falou que, após a pandemia, ficou mais ligado em política

Emilio Dantas, de
Emilio Dantas, de "Vai na Fé", nova novela da Globo, detona Regina Duarte, Cassia Kis e mais atrizes e atores bolsonaristas: "Errado chamar de artistas" (Foto: Globo/João Miguel Júnior)

Emilio Dantas, que volta à TV a partir desta segunda-feira (16) em "Vai na Fé", nova novela das 19h da Globo, criticou nomes como Regina Duarte, Cássia Kis e mais atrizes e atores que apoiam o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e adotam a sua filosofia, batizada de "bolsonarismo". Segundo o ator, essas pessoas não podem ser consideradas artistas.

"Eles podem ser atores, atrizes, apresentadores, empresários. Enfim, podem ser setorizados. Agora, artistas? Não tem como. É completamente inviável um artista concordar com qualquer coisa que tenha vindo desse tipo de ideologia. Isso não tem a ver com arte", declarou à coluna de Mônica Bergamo na "Folha de S. Paulo".

O artista ainda teorizou que o apoio a Bolsonaro seria fruto de algum tipo de frustração íntima: "Para mim é muito nítido que essas pessoas têm questões próprias. Elas colocaram essa paixão [por Bolsonaro] e essa veemência na política porque são impulsionadas por frustrações, por questões muito íntimas", continuou Emilio.

"No caso da Regina, acho que é uma questão de orgulho, de não querer admitir que errou. A passagem pela Secretaria de Cultura foi uma derrota na carreira dela. O ponto de vista dela é completamente equivocado, e ela cotninua defendendo. O que falta para a Regina enxergar a realidade? O Bolsonaro arrancar o braço de alguém?", questionou.

Na conversa, Emilio admitiu que nem sempre foi ligado a questões políticas, mas se obrigou a prestar mais atenção após Bolsonaro ser eleito, em 2018, especialmente por causa da condução da pandemia de coronavírus:

"O que o governo fez nessa pandemia me deu vontade de lutar contra algo que eu achava muito errado. Comecei a prestar mais atenção. Hoje, eu me vejo como alguém completamente de esquerda", afirmou. "Os anos de Bolsonaro [no governo] foram tenebrosos. Não existem palavras para explicar o que aconteceu", completou o ator.