Emir do Catar alerta sobre perversidade do excesso de riqueza

O emir de Catar, xeque Tamim ben Hamad Al Thani, em Paris, no dia 24 de junho de 2014

O emir de Catar, xeque Tamim ben Hamad Al Thani, alertou nesta terça-feira para os efeitos perversos do excesso de riqueza, agora que seu país enfrenta a forte queda dos preços do petróleo e do gás.

Em um discurso à Majlis al Shura, uma assembleia consultiva, o emir disse que a queda dos preços dos hidrocarbonetos pode ajudar a "corrigir os fenômenos negativos" que acompanharam o acúmulo de riqueza em seu país.

As receitas do Catar, país-membro da Opep, dependem em grande medida do petróleo e sobretudo do gás.

O emir, citado pela agência oficial QNA, mencionou entre esses fenômenos perniciosos "os gastos supérfluos, uma burocracia exagerada e a falta de responsabilidade".

"O acúmulo de riqueza pode levar também a uma dependência do Estado, do qual se espera tudo, o que reduz a motivação dos indivíduos na hora de tomar iniciativas e progredir", prosseguiu.

O emir anunciou que o orçamento de 2016 vai considerar a queda dos preços da energia para evitar que o país registre um alto déficit.