Empregada de casal Matsunaga relata rotina após morte de Marcos

São Paulo, 11 - Em entrevista ao programa "Fantástico", da TV Globo, veiculado na noite deste domingo, 10, uma das empregadas do casal Matsunaga relatou como foram os dias no apartamento onde o crime ocorreu após a morte de Marcos, executivo da Yoki.

Leia também:
Vídeo mostra diretor da Yoki com outra mulher em restaurante
Suposta amante do executivo da Yoki deve depor 2ª-feira
Elize brigou com marido antes de atirar, diz advogado
Mulher temia perder a guarda da filha, diz advogado
Polícia parou carro de mulher com o corpo do executivo






Ela estava em casa no momento em que, em 20 de maio, Elize Matsunaga voltou ao apartamento depois de matar, esquartejar e tentar se desfazer das partes do corpo do marido. A funcionária diz que não notou nada diferente quando chegou, mas que, no dia seguinte, Elize fez pedidos que considerou incomuns, como "lavar os lençóis, lavar o cobertor, tirar capa de edredom."

Apesar disso, a mulher ressaltou que não notou nada de anormal do comportamento de Elize, que continuou com as tarefas cotidianas sem alterar o comportamento.

A funcionária também disse ao "Fantástico" que perguntou por Marcos Matsunaga pela manhã. "Eu perguntei: 'O seu Marcos não vai tomar café?' Ela falou: 'Não, ele não dormiu em casa'." Segundo a empregada, dois dias depois, após mais perguntas, Elize afirmou que achava que o marido havia sido sequestrado.

A funcionária também disse que, antes do desaparecimento, as discussões entre Marcos e Elize Matsunaga eram constantes.

O programa da Rede Globo exibiu também um vídeo que mostra Marcos Matsunaga com outra mulher. O filme, produzido pelo detetiva contratado por Elize pouco antes do assassinato, mostra o executivo em companhia de uma mulher em frente a um restaurante de São Paulo, um dia antes de ser morto e esquartejado. As imagens mostram Marcos abraçando a mulher enquanto espera o manobrista trazer o carro.

Segundo o "Fantástico", no dia da gravação, Elize Matsunaga havia viajado para o Paraná, onde mora a mãe. Antes da viagem, ela contratou o detetive para seguir o marido enquanto ela estivesse fora de São Paulo.