Emprego dos sonhos: o japonês que é pago para não fazer nada

Shoji Morimoto, que cobra 10 mil ienes (71,30 dólares) para simplesmente acompanhar seus clientes, usa seu celular enquanto atende uma cliente em um café de Tóquio

Por Tom Bateman e Rikako Maruyama

TÓQUIO (Reuters) - Shoji Morimoto tem o que alguns considerariam um emprego dos sonhos: ele é pago para não fazer praticamente nada.

O morador de Tóquio de 38 anos cobra 10 mil ienes (71 dólares) por reserva para acompanhar os clientes e simplesmente existir como acompanhante.

"Basicamente, eu me alugo. Meu trabalho é estar onde meus clientes querem que eu esteja e não fazer nada em particular", disse Morimoto à Reuters, acrescentando que ele lidou com cerca de 4 mil sessões nos últimos quatro anos.

Com um corpo esguio e aparência mediana, Morimoto agora possui quase 250 mil seguidores no Twitter, onde encontra a maioria de seus clientes. Aproximadamente um quarto deles são clientes recorrentes, incluindo um que o contratou 270 vezes.

Seu trabalho o levou a um parque com uma pessoa que queria brincar de gangorra. Ele também sorriu e acenou através de uma janela de trem para um completo estranho que queria uma despedida.

Não fazer nada não significa que Morimoto fará qualquer coisa. Ele recusou ofertas para mudar uma geladeira de lugar e ir para o Camboja, e não aceita nenhum pedido de natureza sexual.

Antes de Morimoto encontrar sua verdadeira vocação, ele trabalhou em uma editora e muitas vezes foi repreendido por "não fazer nada".

"Comecei a me perguntar o que aconteceria se eu fornecesse minha capacidade de 'não fazer nada' como um serviço aos clientes", disse ele.

O negócio de companheirismo é agora a única fonte de renda de Morimoto, com a qual ele sustenta sua esposa e filho. Embora ele tenha se recusado a divulgar quanto ganha, ele disse que atende cerca de um ou dois clientes por dia. Antes da pandemia, eram três ou quatro por dia.

Como ele passou uma quarta-feira sem fazer nada em Tóquio, Morimoto refletiu sobre a natureza bizarra de seu trabalho e pareceu questionar uma sociedade que valoriza a produtividade e ridiculariza a inutilidade.

"As pessoas tendem a pensar que meu 'não fazer nada' é valioso porque é útil (para os outros)... Mas não há problema em não fazer nada. As pessoas não precisam ser úteis de uma maneira específica", disse ele.

(Reportagem de Tom Bateman e Rikako Maruyama)