Empresário alvo da CPI da Covid é denunciado sob acusação de corrupção ligada aos Correios

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  19-08-2021, 12h00: CPI DA COVID. O dono da Precisa medicamentos, Francisco Maximiano, é ouvido pelo senadores da comissão. A empresa está envolvida nas suspeitas de corrupção na aquisição da vacina Covaxin junto ao ministério da saúde. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 19-08-2021, 12h00: CPI DA COVID. O dono da Precisa medicamentos, Francisco Maximiano, é ouvido pelo senadores da comissão. A empresa está envolvida nas suspeitas de corrupção na aquisição da vacina Covaxin junto ao ministério da saúde. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O dono das empresas Precisa e Global, Francisco Emerson Maximiano, foi denunciado pelo Ministério Público Federal em um caso relacionado a suspeitas de corrupção que envolve os Correios.

O sigilo da denúncia foi suspenso no mesmo dia em que o empresário, que já é alvo da CPI da Covid por supostas irregularidades no Ministério da Saúde, também foi o principal investigado de uma operação da Polícia Federal por suspeita de lavagem e corrução para obter contrato com a Petrobras.

Na denúncia, a Procuradoria em São Paulo acusa Maximiano de participar de um esquema que envolvia o pagamento de propina a um ex-vice-presidente dos Correios e a um advogado, em troca de contratos com a estatal.

O esquema foi delatado por Alexandre Romano, ex-vereador de Americana pelo PT, e faz parte da chamada Operação Custo Brasil, braço inicial da Lava Jato em São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos