Empresário exalta Pinochet e lidera ofensiva contra professores em SC

JOÃO PEDRO PITOMBO
Reprodução/facebook

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Ele já foi ator e encarnou o mocinho do filme "Conexão Paraguay", no qual protagonizou um caminhoneiro que fazia justiça por si mesmo e que combatia quadrilhas de roubo de cargas.

Fora da ficção, já tentou separar a região Sul do restante do Brasil, conclamou grevistas a queimarem caminhões, passou a gravar vídeos nas redes sociais e agora promete ser o fiscal ideológico dos professores de Santa Catarina.

Herdeiro de uma empresa de transporte de carga que tem cerca de 600 caminhões e 50 anos de atuação do país, o empresário Emílio Dalçoquio Neto, 53, sintetiza a escalada de questionamentos ideológicos de professores que ganhou força no país com a vitória do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). As ações têm como base o projeto de lei "Escola sem Partido", que tramita na Câmara dos Deputados.

Há cerca de uma semana, no dia 24 de outubro, Dalçoquio e mais três militantes, incluindo uma candidata a deputada do PSL, entraram à paisana em uma assembleia do Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica). A reunião acontecia no no Instituto Federal Catarinense de Balneário Camboriú, cidade do litoral catarinense.

Após gravar trechos da reunião, os militantes foram interpelado por professores que reconheceram os intrusos. Dalçoquio acabou discutindo com os servidores e fez uma defesa do ditador chileno Augusto Pinochet (1915-2006), general que comandou seu país entre 1973 e 1990.

"Eu defendo Pinochet porque ele matou quem tinha que matar. Tivessem feito o mesmo que ele [Pinochet] fez aqui no Brasil não haveria isso aí", disse Dalçoquio. Estima-se que cerca de três mil pessoas tenham sido mortas na ditadura de Pinochet no Chile.

Após o tumulto, os professores chamaram a polícia e registraram um boletim de ocorrência. Para João Cichaczewski, diretor de comunicação de Sinasefe, a situação constrangeu e preocupou os professores.

"O que aconteceu em Camboriú é um reflexo radicalizado do que está acontecendo sociedade brasileira. As pessoas estão se sentindo autorizadas a serem intolerantes", afirmou o sindicalista.

O caso aconteceu dias antes da deputada estadual eleita Ana Caroline Campagnolo (PSL), também de Santa Catarina, pedir a estudantes que denunciem professores que façam queixas político-partidárias por causa vitória de Jair Bolsonaro.

O pedido resultou na instauração de um inquérito civil do Ministério Público Federal para apurar suposta intimidação a professores do estado de Santa Catarina.

Um dos principais apoiadores do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) em Itajaí (SC), Emilio Dalçoquio Neto é filho de um dos fundadores da Transportes Dalçoquio e atuou na empresa durante boa parte da vida.

Foi presidente do sindicato das empresas de carga de Itajaí entre 2014 e 2015. Desde março de 2015, contudo, está afastado de suas funções na empresa.

O empresário também foi um dos coordenadores e financiadores da campanha "O Sul é meu país", que pretende separar os três estados da região Sul do restante do Brasil.

Em maio deste ano, durante a greve dos caminhoneiros, ele foi flagrado discursando para motoristas de caminhão e afirmando que estes poderiam colocar fogo nos veículos da empresa da própria família caso estes estivessem circulando nas estradas.

A Transportes Dalçoquio acabou sendo uma das investigadas pela Polícia Federal por suspeita de locaute -configurado quando os patrões impedem que funcionários voltem ao trabalho em greves.

Nos últimos anos, Dalçoquio tem se dedicado à militância política e costuma protagonizar vídeos na internet no qual critica partidos de esquerda.

A crítica aos professores não é exatamente uma novidade. Em maio, ele publicou um vídeo no qual acusa os professores de mentirem aos alunos ao ensinarem que houve uma ditadura no Brasil.

"Vocês, professores, estão mentindo para molecada. Mas vocês vão pagar por isso, principalmente os da universidade. Seus comunistas de merda, seus idiotas", disse na ocasião, quando também defendeu Augusto Pinochet.

Procurado pela Folha de S.Paulo, Dalçoquio disse que reafirma as palavras ditas na assembleia dos servidores. Disse não apoiar ditadores, mas justificou a defesa feita de Augusto Pinochet afirmando "o resultado da ação do Pinochet foi deixar o país livre do comunismo".

"O PT pode defender o Che Guevara, Fidel, Maduro e comunismo que matou três vezes mais que o nazismo? Por quê?", questionou o empresário, afirmando ainda que, com a eleição de Jair Bolsonaro, "o Brasil voltará a ser um país livre da cultura comunista".

Por fim, tal qual o caminhoneiro sem nome que estrelou no cinema, Dalçoquio promete fazer justiça: diz que não tem o que temer e seguirá fiscalizando professores "que atuem como doutrinadores" em Santa Catarina.

"Os idiotas comunistas que estão escondidos dentro das escolas e faculdades, camuflados de professor, estão com seus dias contados. A ordem e o progresso trará o orgulho de sermos brasileiros novamente", afirmou.