Empresário pró-democracia Jimmy Lai libertado sob fiança em Hong Kong

·1 minuto de leitura
O empresário pró-democracia Jimmy Lai é um dos principais críticos da China em Hong Kong

O empresário de Hong Kong Jimmy Lai, proprietário de vários meios de comunicação, foi libertado nesta quarta-feira após o pagamento de fiança, depois de ter sido detido há 11 dias pela acusação de desrespeitar a lei de segurança nacional imposta por Pequim.

Lai, muito crítico ao regime chinês, é uma das personalidades de Hong Kong mais conhecidas que foi acusada com base na polêmica lei, aprovada em junho por Pequim para tentar restabelecer a calma no território, após seis meses de protestos em 2019.

O empresário de 73 anos foi acusado de "conluio com potências estrangeiras" por ter afirmado que outros países deveriam adotar sanções contra Hong Kong e China pela política que aplicam neste território semiautônomo.

Em 12 de dezembro ele foi detido de maneira preventiva por decisão de um juiz que atua na unidade de segurança nacional.

Seus advogados apresentaram um recurso e nesta quarta-feira outro juiz decidiu pela libertação após o pagamento de uma fiança de 10 milhões de dólares de Hong Kong (US$ 1,2 milhão).

O empresário terá que respeitar uma espécie de prisão domiciliar, deve entregar o passaporte e não tem o direito de manter encontros com representantes de governo ou instituições estrangeiras críticas a China.

Lai também está proibido de publicar algo nas redes sociais e não pode fazer declarações à imprensa.

As regras do tribunal também proíbem que a imprensa publique detalhes sobre os argumentos apresentados pela defesa e a Promotoria na audiência que determinou a fiança.

Mas o jornal Apple Daily, que pertence a Lai, informou que a acusação contra o empresário é baseada sobretudo em tuítes e entrevistas concedidas à imprensa após a aprovação da lei de segurança nacional.

su/jta/qan/juf/bl/zm/fp