Empresário próximo a Putin diz que Taiwan retornará à China "dentro do cronograma"

Imagem de arquivo: O empresário Igor Sechin em reunião com o presidente russo, Vladimir Putin.

Por Nailia Bagirova e Olesya Astakhova

BAKU (Reuters) - Igor Sechin, executivo-chefe da gigante petrolífera russa Rosneft e um dos aliados mais próximos de Vladimir Putin, elogiou nesta quinta-feira os líderes da China e disse que Taiwan retornará ao seu "porto nativo" a tempo.

Sechin disse que as decisões tomadas pelo 20º Congresso do Partido Comunista, que garantiu a posição de Xi Jinping como o líder chinês mais poderoso desde Mao Tsé-Tung, proporcionarão um novo nível de desenvolvimento para o país.

O aprofundamento da parceria "sem limites" entre a China e a Rússia é um dos desenvolvimentos geopolíticos mais intrigantes dos últimos anos - um que o Ocidente está assistindo com ansiedade.

"A posição da liderança (da China) é muito respeitada, que calma e abertamente, sem falsas premissas, expõe suas posições, mesmo nas questões mais difíceis, como o problema de Taiwan, que nesse sentido pode ser avaliado como um tanto exagerado", disse Sechin em um fórum econômico internacional em Baku, no Azerbaijão.

Ele disse que as tentativas dos Estados Unidos de criar sua própria indústria complexa de microchips mostraram que "o retorno de Taiwan ao seu porto nativo" estava "dentro do cronograma".

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan condenou os comentários, dizendo que apenas o povo da ilha pode decidir seu futuro.

A China reivindica Taiwan como seu próprio território e aumentou a pressão militar e política contra a ilha nos últimos dois anos. Taipé rejeita veementemente as reivindicações de soberania de Pequim.

(Reportagem de Nailia Bagirova e Olesya Astakhova; Reportagem adicional de Ron Bousso e Ben Blanchard em Londres)