Empresários do agro que devem à União doam para campanha de Bolsonaro

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 28.08.2022 - O presidente Jair Bolsonaro (PL). (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 28.08.2022 - O presidente Jair Bolsonaro (PL). (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Dois empresários do agronegócio com o nome na dívida ativa da União doaram R$ 10 mil cada um para a campanha de Jair Bolsonaro (PL).

O agronegócio é um dos pilares de apoio de Bolsonaro na sua busca pela reeleição. O setor é cobiçado também pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A maior dívida é de Rodrigo Borghetti Zampieri, de Campo Grande (MS), que tem uma inscrição de R$ 299,4 mil por dívidas tributárias.

O segundo nome é o americano Eugene Douglas Ferrell, que produz no Brasil desde 1974. Ele vive em Querência (MT) e tem uma dívida previdenciária de R$ 11.967.

Zampieri e Ferrell não responderam às perguntas da reportagem.

A Dívida Ativa da União reúne débitos tributários e não-tributários vencidos e não pagos.

As doações de R$ 10 mil estão dentro de um pacote de 13 repasses do mesmo valor feitos para a campanha de Bolsonaro por empresários do agronegócio de diversos estados. A maioria foi feita entre 22 e 26 de agosto.

Em 10 de agosto, Bolsonaro participou do Encontro Nacional do Agro, em Brasília, na companhia do candidato a vice na sua chapa, o Walter Braga Netto. O evento foi organizado pela CNA (Confederação Nacional da Agricultura), que já declarou seu apoio ao atual presidente.

Já Lula conta com parlamentares de Mato Grosso e da família de Blairo Maggi, um dos maiores produtores de soja do Brasil e ex-ministro da Agricultura durante o governo de Michel Temer (MDB), para se aproximar do setor.

Apesar da tentativa, a campanha petista derrapou ao incluir no plano de governo de Lula uma proposta para regular a produção agrícola, o que foi explorado pela campanha de Bolsonaro. O PT diz ter havido um erro e excluiu o trecho posteriormente.

Ao todo, a campanha de Bolsonaro já declarou R$ 11,5 milhões em receitas, dos quais R$ 10 milhões vieram do Fundo Partidário do PL.

O presidente da República era um crítico do uso de verbas públicas em campanhas e, em 2020, chegou a aconselhar seus eleitores a não votarem em candidatos que utilizassem esse tipo de recurso.

Doações de empresas para campanhas eleitorais são proibidas. A principal fonte de financiamento é o Fundo Eleitoral, que neste ano distribui R$ 5 bilhões entre os candidatos. O valor pode ser complementado com doações de pessoas físicas.