Empresários classificam como improdutiva reunião por videoconferência com Bolsonaro

SÃO PAULO. Empresários que acompanharam a reunião do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes (Economia), por videoconferência, nesta quinta-feira, consideram que o debate foi positivo, porém improdutivo. O GLOBO conversou com seis executivos que participaram do encontro organizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que só falaram sob anonimato.

A avaliação é que, novamente, o governo acerta na temática da agenda, mas falha na apresentação de medidas práticas para sair da crise. Alguns empresários disseram se surpreender com a falta de propostas efetivas do governo em um momento de grave crise econômica. Dizem que esperavam soluções mais rápidas para, segundo eles, tentar minimizar os impactos econômicos da pandemia.

O presidente voltou a defender a retomada da economia, porém sem apresentar medidas práticas para isso. Coube aos executivos a indicação de sugestões como aumentar linhas de crédito para atravessar a pandemia, e a apresentação de pontos específicos para mudanças trabalhistas e para a reforma tributária.Paulo Skaf, presidente da Fiesp e organizador do encontro - que desta vez contou com quase 500 participantes, entre diretores e dirigentes da Fiesp -, informou que o diálogo foi positivo. Depois, em uma entrevista à “CNN Brasil”, ele defendeu uma flexibilização das regras de isolamento social, acreditando que o melhor seria que os municípios decidam sobre a retomada ou não da economia. Hoje em dia as regras são estaduais.

Skaf afirmou que há muitos municípios que estão “sem um caso sequer”, mas com a economia fechada “há quase dois meses”. Guedes defendeu solução semelhante na reunião.Empresários que participaram da videoconferência destacaram ainda que o ministro Paulo Guedes continua com um tom otimista, que destoa da visão dos analistas sobre a economia. O ministro afirmou que o país “surpreendeu o mundo” com a reforma da previdência e que o país voltará a “surpreender” comas retomadas e o avanço da economia.