Empresa chinesa YMTC pode entrar em lista de restrições dos EUA em dezembro, diz secretário

Por Karen Freifeld

WASHINGTON (Reuters) - A fabricante chinesa de chips de memória YMTC e dezenas de outras entidades da China estão "sob o risco" de serem adicionadas a uma lista de restrições comerciais já em 6 de dezembro, disse um funcionário do Departamento de Comércio dos Estados Unidos em discurso preparado vistos pela Reuters.

No mês passado, 31 entidades, incluindo a YMTC, foram adicionadas a uma lista de empresas as quais autoridades norte-americanas não conseguiram inspecionar, aumentando as tensões com Pequim e iniciando um prazo de 60 dias que pode desencadear penalidades mais duras.

De acordo com uma nova política anunciada no mesmo dia, se um governo impedir que funcionários dos EUA realizem verificações no local em empresas não verificadas, Washington poderá iniciar o processo para adicioná-las à lista de restrições após 60 dias.

Em comentários preparados para apresentação em evento da Society for International Affairs nesta segunda-feira, Matthew S. Axelrod, secretário adjunto de fiscalização de exportação, confirmou que a nova medida se aplica à YMTC e 30 outras empresas chinesas, bem como 50 outras companhias anteriormente na lista.

Essas empresas "correm agora o risco de passar para a Lista de Entidades em 6 de dezembro ... se não conseguirmos concluir uma verificação de uso final até lá", de acordo com o texto de sua fala.

O YMTC e a embaixada chinesa em Washington não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Os exportadores norte-americanos devem realizar diligências adicionais antes de enviar mercadorias para entidades colocadas na "lista não verificada" e podem ter que solicitar mais licenças.