Empresa de ‘coach messiânico’ responde a processo por expor funcionários a risco e desrespeitar normas sanitárias

·1 min de leitura

Uma empresa do "coach messiânico” Pablo Marçal, que levou um grupo de 60 pessoas para uma montanha sob péssimas condições climáticas contra recomendações da Defesa Civil, responde a um processo por desrespeitar normas sanitárias e expor funcionários a risco durante a pandemia.

A ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra a Plataforma Internacional, que fica em Barueri, São Paulo, determinou que o local adotasse uma série de medidas de proteção contra a Covid-19. O MPT recebeu denúncias anônimas, em janeiro de 2021, de que a empresa não cumpria decretos de lockdown e de que não havia uso de máscara em suas dependências.

Segundo a sentença da 3ª Vara do Trabalho de Barueri verificou-se “a existência de risco na quase totalidade das atividades laborais” da empresa. Marçal está recorrendo da decisão. Procurado pelo GLOBO, ele ainda não se manifestou.

O influenciador digital, que tem mais de 2 milhões de seguidores e vende um curso de autoajuda sob nome de "O pior ano da sua vida", levou de forma inadequada 60 pessoas para a trilha do Pico dos Marins, em Piquete, no interior de São Paulo, considerado perigoso e com histórico de acidentes fatais, como o de um francês em 2018.

Fora da época recomendada, sem preparo ou equipamentos necessários para a trilha, a expedição foi classificada como irresponsável pelo Corpo de Bombeiros que precisou intervir, numa operação que durou 9 horas para resgatar 32 pessoas. Segundo a corporação, Marçal expôs o grupo a “risco de morte”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos