Empresa do ES que usava nome da firma do ‘Lobo de Wall Street’ é suspeita de fraudes de R$68 milhões

·2 minuto de leitura
Empresa é suspeita de fraudes milionárias. (Foto: Getty Images)
Empresa é suspeita de fraudes milionárias. (Foto: Getty Images)
  • Empresa de Cachoeiro de Itapemirim é acusada de fraudes de R$68 milhões.

  • Empresa usava nome da firma do Lobo de Wall Street.

  • Polícia prendeu dois por porte ilegal de arma.

Talvez o nome Stratton Oakmont soe familiar, caso você tenha assistido ao filme “O Lobo de Wall Street”, de Martin Scorsese, com Leonardo DiCaprio. Esse era o nome da firma do financista Jordan Belfort, por meio da qual ele causou milhões de dólares em danos a clientes vítimas de suas fraudes financeiras.

Leia também:

Agora, a história se repete, mas na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo, onde o Ministério Público deflagrou, na última quarta-feira (9) a Operação Lobo de Wall Street contra uma empresa suspeita de fraudes de R$68 milhões.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O nome dessa empresa? Stratton Oakmont Business. Até o logo é semelhante ao da empresa do Lobo de Wall Street original – um leão estilizado.

“Revolucionamos o tradicional para fazer com que você experimente realizar seus sonhos de maneiras que jamais imaginou”, diz o site da empresa. “Aqui na Stratton, seu capital trabalha a seu favor, sem asteriscos, sem complicação.”

Mas, segundo a investigação do MP e da Polícia Civil, tratava-se de uma quadrilha. Duas pessoas foram presas em flagrante por porte ilegal de arma, segundo reportagem do portal de notícias G1.

Ao todo, foram apreendidos R$103 mil, seis armas e munições, 14 carros de luxo e motos.

De acordo com a investigação, o esquema funcionava por meio da oferta de cotas de consórcios. A empresa prometia às vítimas ganhos exorbitantes, até 50% em 30 dias.

Ocorre que, segundo a polícia, depois de receber a comissão sobre a venda, os acusados rompiam o contrato, e ficavam com o dinheiro do investidor, em vez de pagar as parcelas do consórcio.

A investigação ainda está em andamento.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube