Empresa-mãe do Facebook e do Instagram multada em 390 milhões de euros

O grupo Meta, proprietário das redes sociais Facebook, Instagram e Whatsapp, foi multado em 390 milhões de euros por violar as regras europeias da proteção de dados.

A sanção, anunciada pela Comissão de Proteção de Dados (DPC) da Irlanda, resulta de duas das três queixas apresentadas no início de dezembro pela Noyb, uma organização sem fins lucrativos de defesa da vida privada e sediada em Viena, na Áustria e também por uma entidade belga não identificada.

As queixas já decididas reportam-se a violações detetadas pela Noyb na rede social Facebook, que foi sancionada em 210 milhões de euros da multa, e pela entidade belga na rede social Instagram, que vai custar mais 180 milhões de euros à empresa de Mark Zuckerberg.

A outra queixa incide sobre a rede social Whatsapp e deve conhecer a decisão na próxima semana.

A Meta viu ser-lhe ainda exigido que adapte no prazo de três meses as operações de processamento de dados dos utilizadores às regras europeias.

Os casos foram julgados na Irlanda por ser o país onde a Meta estabeleceu a sede europeia.

A empresa de Mark Zuckerberg assumiu-se dececionada, diz haver falta de clareza nas regras e anunciou a intenção de recorrer das sentenças já preferidas.

Em novembro, a Meta já tinha sancionada pela DPC em 265 milhões de euros por violação da privacidade devido a uma fuga de dados pessoais de mais de 530 milhões de utilizadores do Facebook. Dois meses antes, a empresa "guarda-chuva" foi sancionada em 405 milhões de euros devido ao uso de dados de menores de idade na rede social Instagram.

Ao todo, em cerca de quatro meses, a Comissão da Proteção de Dados da Irlanda já multou a Meta em 1.060 milhões de euros, por abuso na utilização dos dados dos utilizadores das respetivas redes sociais.