Empresária que desmaiou ao levar tapa de PM diz estar traumatizada

Como crime aconteceu com policial em serviço, o inquérito deve transcorrer na Polícia Militar (Foto: Getty Images)
Como crime aconteceu com policial em serviço, o inquérito deve transcorrer na Polícia Militar (Foto: Getty Images)

Uma empresária de 35 anos, que desmaiou após levar um tapa de um policial militar (PM) em Anápolis, em Goiás, nesta segunda-feira (19), afirmou estar traumatizada e com medo.

Em imagens que circulam nas redes sociais, é possível ver um tumulto perto da mulher, que é agredida e cai logo em seguida.

A empresária disse que foi agredida porque estava filmando o marido ser preso, e que o PM tomou o celular dela para apagar o vídeo.

Segundo a mulher, a confusão começou porque o marido dela, que trabalha com a venda de verduras, foi ao Ceasa cobrar uma dívida de cerca de R$ 20 mil. O homem falou que subiu na cabine do caminhão do devedor para cobrá-lo.

O casal, que preferiu não se identificar, afirmou que o devedor resolveu chamar a polícia.

“Eu falei que ele não podia fazer aquilo. Aí ele falou: ‘quem te falou que eu não posso? Eu posso sim’, e me xingou de vários nomes. O outro policial mandou eu ficar na minha e calar a boca. Eu falei que estava certa e ele não podia pegar meu telefone. Aí ele falou que se eu não calasse a boca ia dar um tapa na minha cara, e ele deu dois”, descreveu a mulher.

Após o episódio, a empresária revelou que ficou traumatizada e amedrontada com a situação.

“Medo, porque eu tenho medo. Pelos meus filhos, pela minha família”.

A PM, informou por meio de nota, ao portal G1, que não compactua com tal desvio de conduta, que determinou a abertura de um Inquérito Policial Militar (IPM) e que afastou o policial militar da função operacional até o final da apuração.

O marido da vítima foi encaminhado à delegacia. Por conta da briga, o homem prestou depoimento e pode responder por desacato.

“Ele não poderia ter feito isso, ainda mais por eu ser mulher. Eu errei em ter falado, mas ele errou muito mais em me dar o tapa", finalizou a mulher.

A Polícia Civil informou que, como o crime aconteceu com o policial em serviço, o inquérito deve transcorrer na Polícia Militar, por se tratar de um crime militar.