Empresário que agrediu modelo em academia não entrega passaporte no prazo

Empresário agrediu modelo em academia (Getty)
Empresário agrediu modelo em academia (Getty)

O empresário Thiago Brennand Tavares da Silva Fernandes Vieira, de 42 anos, acusado de agredir uma modelo dentro de uma academia de luxo, em São Paulo, não se apresentou à Justiça até a última sexta-feira (23), quando terminou o prazo de dez dias dado para o empresário voltar ao Brasil e entregar seu passaporte.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), informou que até este domingo (25), o empresário não tinha se apresentado como foi pedido na decisão judicial, ao fórum onde responde ao processo no qual é réu nesse período.

A agressão contra a modelo Helena Gomes, de 37 anos, aconteceu em agosto e foi revelado no mesmo mês pelo programa Fantástico da Rede Globo, que mostrou o vídeo das agressões, gravado por câmeras de segurança da academia.

Proibido de frequentar estabelecimentos desportivos e expulso da academia após repercussão do caso, Thiago saiu do Brasil no dia 3 de setembro e está em viagem a Dubai, nos Emirados Árabes.

No período da ida do empresário, a defesa dele alegou que seu cliente retornaria ao Brasil em 18 de outubro. No entanto, não foi divulgado recentemente se Thiago já teria retornado.

A ida do empresário aos Emirados Árabes aconteceu antes de a Justiça aceitar a denúncia do Ministério Público e tornar Thiago réu pelos crimes de lesão corporal e corrupção de menores. A Promotoria o acusa de agredir a modelo e de incentivar o filho dele, menor de 18 anos de idade, a ofendê-la.

Em entrevista ao portal G1, o advogado Marcio Janjacomo, que defende a modelo, disse que agora vai solicitar ao Ministério Público que avalie um pedido de prisão preventiva para o empresário.

“Segunda-feira iremos requisitar ao Ministério Público providências. O Ministério Público tem de se pronunciar”, afirmou Janjacomo.

Ainda de acordo com o advogado, não há informações oficiais de que o acusado tenha voltado ao país.

“[Thiago] não retornou nem entregou [o passaporte]. Ele descumpriu determinação judicial em processo criminal”, ressaltou o defensor da modelo.

O empresário foi denunciado pelo Ministério Público (MP) por lesão corporal e corrupção de menores na noite do último dia 4 de setembro, quando o órgão também pediu que o passaporte do empresário fosse apreendido. Porém, ele viajou horas antes da medida ser analisada pela Justiça.

De acordo com decisão da Justiça do dia 13 de setembro, publicada em 14 de setembro, caso Thiago não voltasse ao Brasil e entregasse seu passaporte no período determinado, ele correria o risco de ser preso preventivamente. O empresário ainda foi proibido de frequentar academias e de se aproximar de testemunhas. Ele ainda não foi interrogado.

Se a Promotoria pedir a prisão dele, a Justiça decretar e o empresário não se entregar, ele passará a ser considerado foragido.

Ainda nesta segunda-feira (26), o Ministério Público de São Paulo começará a ouvir as dez novas mulheres que acusam Thiago de estuprá-las. Duas delas ainda alegam que o empresário as obrigou a tatuarem as iniciais dele, "TFV", em seus corpos.