Empresas ampliam linhas de limpeza para atender a demanda de prevenção ao coronavírus

IFRJ está produzndo álcool em gel que pode ser distribuído se a Anvisa autorizar

RIO - O aumento na venda de produtos de limpeza e a tentativa de impedir a proliferação do coronavírus vem levando alguns fabricantes a investirem em marcas que até então não estavam nas prateleiras. É o caso da SC Johnson, dona do Baigon e Off!, que está produzindo itens de desinfetante para as mãos e álcool em gel da marca Lysoform.

Segundo dados da consultoria Nielsen, a crise gerada pelo coronavírus gerou o aumento na venda de produtos de limpeza. A categoria de desinfetantes, por exemplo, já registra alta de 10%, seguida de detergentes líquidos e água sanitária, por exemplo. Além da SC Johnson, outras empresas como L’Óreal, Granado e Procter & Gamble vêm produzindo itens para aumentar a higienização.

Segundo o Fisk Johnson, Presidente da SC Johnson, a empresa tinha uma licença de produção de desinfetante para as mãos, mas a empresa nunca seguiu com a produção. No entanto, dado o cenário atual e a necessidade do mercado, decidiu iniciar a fabricação.

— Até agora nenhum produto foi testado especificamente contra esse vírus. No entanto, a OMS e o Ministério da Saúde local vêm recomendando que as pessoas usem desinfetantes para as mãos com álcool gel 70 como uma medida eficaz para matar o novo coronavírus. Este novo desinfetante para as mãos atende a esse padrão — disse ele, lembrando que a empresa está doando 350 mil unidades de desinfetante para as mãos para comunidades.

A Embelleze , por exemplo, vai doar duas toneladas de álcool em gel para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e uma tonelada e meia para a Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro (Comlurb).