Empresas cobram R$ 41 mil por dia para treinar civis que querem virar astronautas

Iniciativa privada começa a explorar as possibilidades dos astronautas (Getty Image)
Iniciativa privada começa a explorar as possibilidades dos astronautas (Getty Image)
  • Pessoas comuns podem ter o mesmo treinamento que astronautas profissionais

  • O setor do turismo espacial movimentou mais de R$ 3 bilhões em 2021

  • Uma semana de simulações pode custar R$ 72 mil

Existem poucas coisas que o dinheiro não pode comprar. Quem tem uma graninha de sobra pode facilmente realizar alguns sonhos, como o de se tornar astronauta.

Antigamente, apenas algumas pessoas selecionadas nas Forças Armadas das nações mais influentes podiam ser treinadas para ir para o espaço. Agora, empresas da iniciativa privada começam a explorar as possibilidades dessa tipo de turismo.

De acordo com a consultoria Grand View Research, o setor movimentou US$ 598 milhões (mais de R$ 3 bilhões) em 2021. A expectativa é que ele cresça 37,1% ao ano até 2030, quando chega a US$ 8,67 bilhões (R$ 41 bilhões).

A Nastar (Centro Nacional de Pesquisa e Treinamento Aeroespacial) foi a primeira organização a receber aprovação da FAA (o equivalente à Anac nos EUA) para realizar o treinamento de civis para viagens espaciais. A empresa atende companhias como SpaceX, Axiom Verge e Virgin Galactic.

Apesar dos treinamentos serem abertos para a sociedade, algumas empresas impõe restrições para os aspirantes a astronautas.

A Blue Origin, por exemplo, tem como requisito que os tripulantes tenha altura entre 1,62m e 1,91m, pese de 49,8 kg e 101 kg e também que consiga subir sete lances de escada em até 90 segundos Colocar e tirar o cinto de segurança em 15 segundos e falar inglês são algumas das outras exigências.

Quem quiser se aventurar nessa experiência pode gastar US$ 8 mil (R$ 41 mil) para um dia de simulações ou US$ 14 mil (R$ 72 mil) para uma semana completa com atividades que preparam o participante para sair da atmosfera.