Empresas como Meta e Disney vão custear viagens de funcionárias que quiserem fazer aborto nos EUA. Veja lista

Após a Suprema Corte dos Estados Unidos derrubar o direito constitucional ao aborto, várias empresas como a Meta, proprietária do Facebook e do Instagram, disseram que reembolsariam os funcionários por despesas relacionadas a viagens para fora do estado para realizar o procedimento.

Novo mapa: Veja em quais estados o aborto será proibido nos EUA, e onde continuará legal

Confira a lista: Ranking mostra as melhores cidades para se viver no pós-pandemia

O anúncio da Meta, feito na sexta-feira, se soma ao de outras companhias dos mais variados setores que prometeram ajudar financeiramente funcionários que queiram realizar o aborto. A lista conta com gigantes do entretenimento como Disney e a Netflix e do setor financeiro, como o J.P.Morgan.

"Pretendemos oferecer reembolsos de despesas de viagem, na medida permitida por lei, para funcionários que precisarão deles para acessar serviços de saúde e reprodutivos de fora do estado. Estamos no processo de avaliar a melhor forma de fazê-lo, dadas as complexidades envolvidas", disse o porta-voz da Meta, Andy Stone, por e-mail ao site da NBC.

Muitos estados devem restringir ou dificultar ainda mais os abortos após a decisão, dificultando que as funcionárias interrompam a gravidez. Para realizar o procedimento, elas terão para estados onde o aborto é permitido.

Guga Chacra: Suprema Corte pune mulheres pobres de estados conservadores

A Disney disse a seus funcionários em um memorando interno, obtido pela CNBC, que cobriria as despesas de funcionários que precisam viajar para outro estado para fazer um aborto.

O banco J.P. Morgan também se ofereceu para cobrir as despesas de viagem para "todos os serviços de saúde cobertos que só podem ser obtidos longe de sua casa", incluindo o aborto, informa um memorando da empresa, também obtido pela CNBC .

Um porta-voz da WarnerBros Discovery disse à NBC News que a empresa está "comprometida em oferecer aos nossos funcionários em todo o país acesso a serviços de saúde consistentes e abrangentes".

Segundo a agência de notícias Reuters, a empresa de transporte por aplicativo Lyft afirmou que protegeria legalmente os motoristas em casos de aborto, afirmando que expandiria uma política recente à medida que novas leis estaduais fossem aprovadas.

Viu?: Governo inclui subsídio ao transporte de idosos e ao etanol no pacote de 'bondades'

CVS, Microsoft, Bumble e UnitedHealth também prometeram manter o acesso dos funcionários ao aborto, informou a agência.

No mês passado, a Amazon já havia anunciado que também ofereceria até US$ 4 mil em despesas de viagem a cada ano para tratamentos médicos, incluindo abortos.

Em resposta à decisão da Suprema Corte, a Apple divulgou o que chamou de compromisso de longa data com a saúde de seus funcionários: “Apoiamos os direitos de nossos funcionários de tomar suas próprias decisões sobre sua saúde reprodutiva”, disse a empresa ao site da NBC.

Veja lista com algumas empresas que já sinalizaram ajuda aos funcionários:

Warner Bros

Condé Nast

BuzzFeed

Amazon

Goldman Sachs

Snap

Macy's

Intuit

Dick's Sporting Goods

Starbucks

Tesla

Yelp

Airbnb

Netflix

J.P. Morgan

Lyft

Google

Microsoft

Paramount

Citigroup

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos