Empresas condenadas pela Lava-Jato poderão quitar dívidas com obras, diz ministro de Lula

O novo ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, afirmou em entrevista a "Globonews" nesta segunda-feira que o governo trabalhará para que empresas condenadas pela Lava Jato possam pagar suas dívidas com investimentos em obras públicas. O petista afirmou que caberia ao Executivo indicar quais obras seriam beneficiadas. A empresa que optar por aderir ao programa poderá quitar o débito com a construção de um hospital ou escola, por exemplo.

Governo Lula: Acompanhe a posse dos ministros

Fogo amigo: Aliados de Bolsonaro criticam ex-presidente no fim do governo: ‘Decepcionante’

— O pagamento se daria com a execução das obras — explicou Costa.

Segundo o petista, há conversas com Tribunal de Contas da União (TCU), Controladoria-Geral da União (CGU) e Advocacia-Geral da União (AGU) para possibilitar que a proposta de que acordos de leniência sejam transformados em obras já em execução.

— Com isso nós podemos acelerar [obras] sem depender do orçamento direto da União porque são recursos que não estão lançados no orçamento e que poderiam vir para essas obras rapidamente por serem executadas pelas próprias empresas devedoras, fruto dos acordos de leniência — disse o ministro.

Ex-governador da Bahia, Rui Costa tomou posse na manhã desta segunda-feira como ministro da Casa Civil e afirmou que a nova administração federal não sabe quantas obras estão paralisadas no Brasil hoje. Ele afirmou que a ausência de informações estratégicas como essa são a "demonstração do caos" que precisará ser corrigido.

Principal ministério do Palácio do Planalto, a Casa Civil vai gerenciar os projetos e programas das demais pastas da máquina federal. A expectativa é que ele coordene a execução de políticas públicas de infraestrutura, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Aliados enxergam no ex-governador o perfil semelhante ao que Dilma Rousseff desempenhou ao longo do segundo governo Lula, quando ficou conhecida como "mãe do PAC".