Empresas mantêm operações durante megaferiado em São Paulo

CAROLINA MORAES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Empresas de diversos setores vão manter suas operações durante o megaferiado de seis dias em São Paulo, que começa na quarta-feira (20) e deve terminar na segunda-feira (25).

O colégio e cursinho Poliedro, que atende 7.500 alunos das cidades de São Paulo, Campinas e São José dos Campos, terá aulas ao vivo nesse período, transmitidas pelos professores em regime de home office. No final de semana, a instituição também fará simulados digitais de vestibulares.

A CNA, rede de escolas de idiomas, também optou por manter as aulas remotas na capital. A equipe administrativa do escritório central, que fica em São Paulo, também trabalhará durante o período.

Eduardo Murin, diretor de expansão da empresa, afirma que a decisão foi tomada porque a rede tem mais de 600 franquias pelo país, que manterão operações. As aulas já estão acontecendo em ambiente online.

Gabriela Garcia, diretora de novos negócios da Prova Fácil, empresa mineira que desenvolve tecnologia para gestão de avaliações, afirma que as operações da marca em São Paulo também não sofrem alterações nesse período.

A Prova Fácil, que tem clientes como a Faculdade de Medicina do Albert Einstein e o Centro Paula Souza, terá esquema de plantão nesse final de semana para aplicações de provas remotamente --a faculdade Cruzeiro do Sul é uma das que passa por isso nesse fim de semana.

"Os estudantes estão preocupadas com a manutenção dos estudos e nossos clientes conseguiram migrar rapidamente para o ambiente online", afirma.

A Liv Up, a startup de comidas saudáveis entregues a domicílio, que segue com as operações no feriado, fará a compensação dos dias trabalhados no decorrer do ano.

Desde o dia 17 de março, a área administrativa da empresa está trabalhando remotamente e as entregas são feitas nas cidades de Campinas, Santos, São Paulo, Ribeirão Preto, São José dos Campos e Sorocaba.

O feriado de seis dias valerá para a capital, que juntará Corpus Christi, Consciência Negra, 9 de Julho (se este for aprovado pela Assembleia) e ponto facultativo (na sexta).

Estabelecimentos do setor alimentício, que permanecem com esquema de delivery e retirada no local, preveem um aumento dos pedidos nesse período.

"Para gente delivery é prioritário, se não a gente não consegue pagar as contas e nem sobreviver", afirma Daniel Sahagoff, dono do Cantaloup e sócio do Loup, ambos restaurantes localizados no Itaim.

"Optamos por mantê-los abertos, achamos que vai ter uma demanda boa. Geralmente, cresce bastante nosso faturamento aos finais de semana."

O chef Thiago Bañares, proprietário dos restaurantes Tan Tan e Ototo, diz que não cogitaram fechar durante o feriado e que a expectativa é de que as operações mantenham o volume de pedidos que já tem sido observado durante os dois meses que estão funcionando com delivery e retirada no local.

"Com a operação, a gente reforça a ideia de que as pessoas precisam manter o isolamento e a gente colabora com isso", diz.

Além de restaurantes, padarias como a rede Dona Deôla, que tem cinco unidades na capital, continuam funcionando com sistema de delivery e retirada.