Empresas de tecnologia buscam atrair ex-funcionários demitidos do Twitter

Por Martin Coulter

LONDRES (Reuters) - "Desanimado com o estilo de gestão de Elon Musk? Venha para nós!" é o discurso usado por empresas de tecnologia sedentas por talentos que tentam atrair milhares de ex-funcionários do Twitter demitidos pela plataforma de mídia social.

O Twitter demitiu altos executivos e impôs cortes drásticos de empregos sem aviso prévio após a tumultuada aquisição da companhia por Musk.

Cerca de metade da força de trabalho foi demitida e outras centenas de pessoas teriam desistido como resultado de suas amplas reformas.

Em busca de oportunidades, algumas empresas agora estão tentando captar os talentos de engenharia experientes, apelando para o desdém dos métodos da pessoa mais rica do mundo.

Katie Burke, diretora de pessoal da empresa de software norte-americana Hubspot, criticou Musk por relatos de que ele havia demitido um grupo de funcionários que o criticaram nos canais internos da empresa.

“Como líder, ser criticado faz parte do seu trabalho”, escreveu ela em uma publicação no Linkedin. "Grandes líderes reconhecem que o debate e o desacordo o tornam melhor e fazem parte do processo. Se você quer um lugar onde possa discordar (de maneira gentil e clara, é claro) das pessoas, a HubSpot está contratando."

No final da segunda-feira, a postagem de Burke ganhou mais de 35 mil reações positivas no Linkedin.

O Twitter e Musk não responderam aos pedidos de comentários.

Outras empresas estão adotando uma abordagem semelhante ao Hubspot.

Amanda Richardson, presidente-executiva da startup de software de recrutamento CoderPad, publicou uma carta aberta aos que abandonaram o Twitter.

Citando a proibição inicial de Musk do trabalho remoto, Richardson disse que a aquisição por Musk foi "terrivelmente frustrante, deprimente e desmotivadora".

"No CoderPad, acreditamos que suas habilidades dizem tudo. Não onde você se senta. Não se você dorme no trabalho. Não trabalhando 7 dias por semana durante 18 horas por dia."

Michael Weening, presidente-executivo da empresa de nuvem e software Calix, descreveu os eventos recentes no Twitter como "perturbadores" e prometeu aos novos recrutas que eles desfrutarão de uma cultura corporativa que "começa com os membros de nossa equipe" em uma postagem semelhante no Linkedin.

"Do nosso ponto de vista, esta é uma grande oportunidade, pois as pessoas que antes não falavam conosco estão desiludidas e olhando", disse Weening à Reuters. "A cultura tóxica faz com que as pessoas digam: 'Chega'."