Encontro de Bolsonaro com críticos do Congresso é novo obstáculo para Guedes

Renato Andrade

Se o ministro da Economia, Paulo Guedes, já enfrentava sérias dificuldades para fazer avançar sua agenda de reformas no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro pode ter criado, neste domingo, mais um obstáculo para as movimentações do posto Ipiranga.Diante de um cenário complicado para a economia brasileira, que já sente os efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, Bolsonaro deveria buscar aparar as arestas que sempre teve com lideranças do Congresso.

A pavimentação de um caminho de diálogo entre o Planalto e os plenários da Câmara e do Senado abriria espaço para a aprovação de medidas necessárias para debelar dificuldades de curto prazo e outras fundamentais para o fortalecimento da atividade econômica ao longo dos próximos anos. De tabela, reduziria a chance de parlamentares descontentes aprovarem surpresinhas bilionárias como o que ocorreu na semana passada.

O presidente optou pelo caminho inverso. Saiu do Palácio do Alvorada e foi tirar fotos com manifestantes que estavam em frente ao Palácio do Planalto pedindo, entre outras coisas, o fechamento do Congresso.

A turma do mercado financeiro já entendeu que o clima que já não era bom em Brasília, tende a ficar bem pior.

— A ida do presidente às manifestações deixa claro que ele não tem nenhuma responsabilidade com a agenda econômica do país — resumiu o deputado Marcelo Ramos (PL-AM).