Enem 2022: tema da redação é 'Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil'

O tema da redação do Enem 2022 é "Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil". A informação foi anunciada pelo ministro da Educação Victor Godoy nas redes sociais, após o início da prova às 13h30.

ACOMPANHE: Gabarito do Enem 2022, veja correção extraoficial ao vivo

Segundo Marina Rocha, professora de Redação da Plataforma AZ, o tema do Enem 2022 abarca comunidades indígenas, quilombolas e populações ribeirinhas, o que pode torná-lo difícil para os estudantes.

Repercussão: Indígenas e especialistas veem coincidência em fim de governo Bolsonaro e redação sobre povos originários

— A gente está falando de uma série de manifestações culturais de povos brasileiros bem diferentes entre si, que se localizam em diferentes regiões, e por estarem inseridas em lógicas próprias, muitas vezes precisam de algum tipo de política específica — explica.

O

O descaso da população e do Estado com essas comunidades é um dos elementos que podem ser mencionados pelo aluno no texto, segundo a professora:

— É bom tratar de maneira bem ampla, porque todos esses grupos enfrentam uma dificuldade que pode ser resumida na ineficiência das políticas públicas do governo para manter a sua cultura e sua tradição e no descaso da população em geral com a sua invisibilidade — disse Marina Rocha, que ressaltou ainda a possibilidade do aluno mencionar questões ambientais — Ele dialoga com a ideia de sustentabilidade, porque ele não passa só pela preservação ambiental, mas também fala do respeito aos povos que vivem nos territórios.

Já Rafael Pinna, diretor e professor do Colégio Ao Cubo, aponta que essa não é a primeira vez que o exame pede uma redação sobre temas que envolvem minorias:

— Esse tema reafirma o perfil histórico da prova de Redação, que mede o nível de entendimento do aluno acerca de questões socialmente relevantes, frequentemente envolvendo grupos desfavorecidos e invisibilizados. E a prova novamente avalia a capacidade de interferência do aluno como cidadão, pois exige uma proposta de intervenção. — comenta.

Ele sinalizou ainda que o estudante precisa tomar cuidado ao responder ao tema, já que ele não se restringe a comunidades indígenas:

— O aluno precisa ter atenção. Caso o texto se limite à questão indígena, há o risco de que o texto seja avaliado como uma tangência do tema, mesmo que os princípios e problemas de todos esses grupos sejam semelhantes, em certa medida — explica Pinna, apontando ainda possíveis argumentos a serem usados no texto — Um bom caminho é avaliar o papel que o Estado deveria cumprir a esse respeito e também o que a mídia e as escolas poderiam fazer para divulgar e valorizar esses povos.

Professora de redação das Escolas SEB, Juliana Adolpho também entende que o tema deste ano seguiu a linha de outros de edições anteriores:

— É preciso analisar a coletânea ainda, dada a importância dos textos motivadores, mas segue um tema clássico de Enem: enfrentamento de violências simbólicas às minorias no Brasil. A palavra desafios, inclusive, facilita para o aluno problematizar as discriminações sofridas por povos tradicionais.

Coordenadora de linguagens do curso Anglo, Daniela Toffoli enumerou alguns pontos que podem ser levantados pelo aluno:

— O passado histórico escravocrata em que os indígenas foram escravizados e essa mentalidade de que eles são povos inferiores. Podemos pensar na falta de representatividade política. E, é claro, não dá para ignorar o agronegócio, que a partir do momento em que se sobrepõe à preservação desses povos faz com que eles sejam desvalorizados. — disse a professora.

Já para Roberta Panza, professora e autora do Colégio e Sistema pH, trata-se de um tema que atinge todas as regiões do país:

— Acredito que para os jovens seja uma discussão relevante, para pensar cultura, sociedade, para pensar esses grupos que foram historicamente oprimidos. É uma problemática que recorta o país.

No ano passado, o tema da redação foi "Invisibilidade e Registro Civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil". Em 2020, o tema escolhido pelo Inep foi "O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira", na versão impressa; e "O desafio de diminuir a desigualdade entre regiões no Brasil", na digital.

A prova de redação do Enem exige dos candidatos a produção de um texto dissertativo-argumentativo. Os temas costumam abordar questões sociais, tecnológicas, culturais ou políticas.

A correção da redação envolve cinco competências, cada uma com pontuação máxima de 200 pontos: domínio da escrita formal da língua portuguesa; compreender o tema e não fugir do que é proposto; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação e respeito aos direitos humanos.

Temas anteriores

Confira os temas abordados nas redações do Enem nos últimos anos:

O indivíduo frente à ética nacional (2009)

O Trabalho na Construção da Dignidade Humana (2010)

Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado (2011)

O movimento migratório para o Brasil no século XXI (2012)

Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil (2013)

Publicidade infantil em questão no Brasil (2014)

A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira (2015)

Caminhos para combater o racismo no Brasil (2016)

Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil (2016)

Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil (2017)

Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet (2018)

Democratização do acesso ao cinema no Brasil (2019)

O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira (2020)

O desafio de diminuir a desigualdade entre regiões no Brasil (2020 - Enem Digital)

Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil (2021)