Enem: candidatos chegam atrasado e perdem primeiro dia de provas; vídeos

Todos os locais de aplicação da prova do Enem neste ano foram fechados às 13h, horário de Brasília, neste domingo. Os estudantes que chegaram após este horário não puderam acessar os locais de prova. Quem já estivesse dentro das instituições tinha até às 13h30 para acessar as salas onde foram aplicadas as provas. As avaliações serão recolhidas às 19h.

Acompanhe: Gabarito do Enem 2022, veja correção extraoficial ao vivo a partir das 18h45

Confira: tema da redação do Enem 2022 é 'Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil'

Fotogaleria: veja imagens do primeiro dia de provas do exame

Um dos que não conseguiram chegar a tempo foi Adriano Carlos Viz, de 19 anos. O estudante, que estava acompanhado da tia Bárbara Daniela, chegou à universidade Mackenzie, em São Paulo, 12 minutos depois do fechamento do portão. Adriano é do município de São Roque, que fica a 68,1 km da capital paulista.

— Vim de longe, tive que pegar metrô, ônibus, já que me colocaram para fazer a prova aqui. Foram cerca de 5 ou 6 horas de viagem no transporte público, aí não consegui chegar. Nem sei dizer como estou me sentindo, mas vida que segue, ano que vem estou por aí.

Por ainda menos tempo, cerca de dois minutos, o estudante Gabriel Viveiros, de 18 anos, não chegou a tempo de fazer a prova. Com o sonho de cursar administração, ele contou ter acordado com antecedência e saído de casa, no bairro do Grajau, no Rio, a pouco mais de três quilômetros da Uerj, onde seria realizada a prova.

Ao chegar na universidade, no entanto, ele notou ter esquecido a carteira de identidade e voltou para buscá-la. Foi o suficiente para que não voltasse a tempo.

— Não era o que eu esperava, não fui irresponsável. Só esqueci a identidade e tentei reparar o erro. Mas, a vida tem dessas coisas, seus caminhos tortos. Ano que vem eu tento novamente - disse o jovem ainda não sabia como contaria aos pais como perdeu a oportunidade de fazer o Enem neste ano. Diante dos jornalistas, ele confessou estar mais preocupado com as piadas que os amigos fariam ao vê-logo atrasado.

Outro carioca, Daniel Harley Santos Góes não acreditou quando viu que não conseguiria entrar no local onde faria a prova, em Porto Alegre:

— Já fechou? — questionou ao porteiro. Ao receber a resposta que “sim”, Daniel admitiu: — Rateei, não é assim que os gaúchos falam?

Depois de fazer por seis anos seguidos provas do exame, a “rateada” do jovem fez ele perder o primeiro Enem na sua trajetória. Daniel mora em Porto Alegre desde agosto, quando se mudou para a capital gaúcha para cursar faculdade de engenharia na Universidade Estadual do RS (Uergs).

— Não sei onde minha cabeça estava. Faço Enem já como um ritual — contou o jovem.

Um dos casos mais emblemáticos, porém, foi o da estudante Sara Vivian Gomes Farias, que perdeu o primeiro dia de prova do Enem por conta de um cigarro. A jovem chegou à Universidade Estadual do Ceará (UECE), em Fortaleza, quando os portões ainda estavam abertos. No entanto, ela resolveu parar para fumar, se atrasou e foi impedida de entrar no prédio.

— Eu cheguei, desci da moto e faltavam 10 minutos. Aí eu queria entrar no último minuto porque o portão é bem aqui. Mas, quando eu ia entrar, ele disse que não podia. E é isso — explica a jovem.

Sara diz que não é a primeira vez que tenta o Enem. Ele conta que já cursou Teatro, foi jubilada por conta das faltas e, agora, queria cursar design.