Enem: nutricionista dá dicas de alimentação para os dias de provas

É importante se alimentar bem e não fazer a prova de jejum (Getty Images)

Estudar para o Enem é como se preparar para uma prova de maratona, pois consome tempo, dedicação e energia. Por isso, é importante garantir que o corpo, especialmente o cérebro, receba os nutrientes necessários para ter um bom desempenho durante a prova.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram!

A nutricionista Débora Palos, pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional, dá dicas para os estudantes que vão encarar as provas que acontecem em dois domingos, nos dias 3 e 10 de novembro.

Vitamina C para diminuir a tensão

Alimentos ricos em vitamina C auxiliam na redução dos níveis de cortisol, o hormônio do estresse. Dessa forma, ajuda a reduzir a ansiedade e a combater a insônia antes da prova. Frutas cítricas como laranja e kiwi, e alguns vegetais como pimentão e brócolis, são exemplos de alimentos ricos em vitamina C.

Leia também:

Fontes de magnésio também são importantes, pois ajudam a reduzir a fadiga e melhora a qualidade do sono. Você pode encontrá-lo em sementes oleaginosas (como castanhas e chia), em frutas (como banana e abacate), em vegetais (como o espinafre e a beterraba), no iogurte natural e nos cereais integrais (como o arroz integral).

Chás ajudam a combater a ansiedade

Os chás também são uma boa dica para quem quer relaxar um dia antes da prova. São calmantes naturais que ajudam a combater a ansiedade, além de auxiliar no combate à insônia. Em alguns casos, contribuem para o combate a gastrite nervosa.

O que evitar consumir

A gordura saturada presente em alimentos de origem animal, principalmente carnes, pode gerar aumento do cortisol, hormônio do estresse. Sem contar que, por ser uma gordura de difícil digestão, pode causar sensação de mal-estar e sonolência.

Para a Débora Palo, os carboidratos refinados, como a farinha de trigo, o açúcar branco e o arroz branco, geram rápida sensação de bem-estar e satisfação. No entanto, é uma sensação que passa muito rápido, gerando mais ansiedade e necessidade de comer mais.

Alimentos leves e café reforçado para os dias das provas

A nutricionista compartilha que o café da manhã será a principal refeição no dia da prova: “faça um café da manhã completo, podendo conter, café, chá, leite ou iogurte, frutas com aveia, pães integrais com queijo, vitamina de abacate, ovos mexidos.” Ela sugere dar preferência por consumir alimentos leves tanto no dia anterior a prova quanto no dia da prova.

Débora ainda defende o consumo de cereais integrais, como a aveia por exemplo, que são ótimas fontes de carboidratos. Uma vez que digeridos lentamente pelo corpo, significa que contém a exata fonte de energia que precisamos. Por isso, opte por mingau de aveia, além de pão, arroz e macarrão integrais.

Alimentos ricos em ômega-3 também são uma boa pedida. Eles melhoram a concentração, a memória e o aprendizado. Salmão, sardinha e atum são exemplos de peixes que possuem esse nutriente. O ovo e o feijão também fornecem ômega-3.

Não experimente comidas novas

“Véspera do Enem não é o momento para experimentar comidas pela primeira vez”, adverte Débora. Nos dias antecedem as provas, evite a chance de qualquer mal-estar e prefira comer onde você está acostumado.

Bebidas alcoólicas nem pensar

Essa dica vale tanto para o dia da prova quanto os dias que a antecedem, já que o álcool gera uma rápida sensação de euforia, que pode provocar um efeito rebote logo em seguida, aumentando a ansiedade.

Café sem exageros

O café e o chá verde combatem a fadiga mental e ativam o sistema de alerta. No entanto, de acordo com a nutricionista, é necessário atentar-se para os excessos, pois podem causar um efeito exacerbado e atrapalhar a concentração.

Não faça a prova em jejum

Para Débora Palos, não se deve fazer a prova em jejum. O estômago vazio pode resultar em hipoglicemia (baixa da taxa de glicose no sangue), ocasionando sonolência e dificultando a concentração, além de dar tontura, dor de cabeça, queda na pressão e fraqueza.

A nutricionista Débora Palos é pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional e atende na clínica Dra. Maria Fernanda Barca